terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Quem é MEI deve ficar atento ao novo valor da contribuição mensal a partir de 2019


O valor a ser recolhido pelo microempreendedor individual mensalmente aumentou, em decorrência do reajuste do salário mínimo. O aumento vigora a partir do mês de fevereiro

O Presidente Jair Bolsonaro ao assumir a presidência, uma de suas primeiras medidas impacta diretamente os microempreendedores individuais, que vão arcar com reajuste em sua contribuição mensal, devido ao reajuste do salário mínimo. 

Os novos valores passam a ser: R$ 49,90 (para quem não recolhe ISS e nem ICMS), R$ 50,90 (para quem recolhe ICMS – comércio), R$ 54,90 (para quem recolhe ISS – serviço) e R$ 55,90 (para quem recolhe ISS e ICMS – comércio e serviço). Esses valores entram em vigor a partir de janeiro de 2019 e incidem sobre o pagamento que será realizado em 20 de fevereiro.

Lembrando que pagamento poderá ser feito por débito automático, rede bancária e casas lotéricas até o dia 20 de cada mês. 

- O consultor de empreendedorismo e CEO da Contabilivre Mauro Fontes explica abaixo como o MEI pode se organizar em meio à essas mudanças:

- Mantenha os pagamentos em dia: para garantir os benefícios da legislação referente ao MEI, é importante que o microempreendedor individual mantenha o pagamento de suas guias em dia. “Apesar de parecer pequeno o reajuste, ele será de grande impacto para os microempreendedores, que já enfrentam dificuldades para manter a saúde financeira da empresa”, explica o consultor. 

Ele acrescenta que a falta de controle e planejamento financeiro na rotina de muitos empresários contribuem para essa influência ser ainda maior. “É importante que a contribuição mensal seja realizada regularmente, evitando o pagamento de multas e juros para a empresa”, recomenda Mauro Fontes.

- Pense na possibilidade de contratar um serviço contábil profissional: Mauro explica que, apesar de serem poucas as obrigações fiscais e de a contabilidade não ser obrigatória para o MEI, uma assessoria contábil pode auxiliar na organização financeira da empresa, principalmente quando o MEI possui funcionário. 

“É interessante que os microempreendedores se preocupem menos com as burocracias e consigam assim dar foco total aos seus negócios, possibilitando que eles decolem ainda mais rápido”, complementa Fontes.



Fonte: Mauro Fontes - formado em contabilidade e administração de empresas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário