Material asfáltico reciclado torna pavimentação mais sustentável




O uso de misturas sustentáveis, com garantia de qualidade, segurança e economia de recursos em projetos de pavimentação, foi o principal tema abordado pela Stratura durante o maior evento de infraestrutura do país, que reuniu o 25º Encontro Nacional de Conservação Rodoviária (ENACOR), a 48ª Reunião Anual de Pavimentação (RAPv) e a 4ª ExpoEnacor, em Foz do Iguaçu (PR).

O gerente de operações e tecnologia da Stratura, Emerson Maciel, e a especialista em pavimentação Larissa Montagner apresentaram a palestra “Sustentabilidade aplicada a Misturas Asfálticas.” Eles mostraram a utilização de 30% de RAP (material asfáltico reciclado) em três tipos de tecnologias diferentes: asfalto convencional (CAP30/45), asfalto morno (CAP UP) e asfalto plástico (GREENFLEX).

Durante o evento, o time do Centro de Soluções de Engenharia (CSE) da Stratura apresentou o comparativo de desempenho de cada ligante nas misturas recicladas, comparando, principalmente, o desempenho dos CAP UP e do Greenflex em relação ao asfalto convencional e os benefícios que podem trazer para o pavimento, relacionados à economia de recursos e à sustentabilidade.

De acordo com Larissa Montagner, o reaproveitamento de materiais contribui com a economia circular, dando uma destinação a materiais nobres que seriam descartados.

No caso do asfalto morno, ela destacou os benefícios na redução da temperatura durante a usinagem. Em laboratório, foi proposta a redução de 40°C, trabalhando com a temperatura de usinagem de 110º C, quando o usual é trabalhar com a temperatura de 150°C.

“No Brasil, se usa o asfalto morno visando benefícios como a questão da compactação e do transporte da mistura asfáltica por mais quilometragem, mas também tem a questão da saúde do profissional que lida diretamente em campo com as misturas, e da redução nas emissões de gases de efeito estufa, o que e faz com que o produto tenha um viés de sustentabilidade”, comentou Larissa.

A equipe do CSE da Stratura apresentou também o Greenflex, asfalto feito com plástico reciclado, e o CAP 30/45. Todas as misturas analisadas tiveram a incorporação de material fresado removido por meio do processo de fresagem de pavimentos asfálticos deteriorados. Em todos cases, utilizou-se 30% de RAP, aproveitando melhor esse material, evitando o desperdício e contribuindo com o economia circular.

“Todas as análises realizadas mostraram que os dois produtos diferenciados CAP UP e o GREENFLEX tiverem desempenho superior ao do asfalto convencional”, afirmou a especialista.

O Greenflex já foi utilizado em trecho experimental de um quilômetro entre Rio Claro e São Carlos (SP), pela concessionária EIXO SP Concessionária de Rodovias S.A., que administra a Rodovia Washington Luís. Seu uso, correspondeu a uma redução nas emissões de 900 kg, além de 450 litros de petróleo, 1.360 kw de energia elétrica e 3.550 litros de água que seriam utilizados para a produção do plástico. Foram utilizadas 200 mil unidades de embalagens recicladas.

De acordo com o gerente de Operações e Tecnologia da Stratura Asfaltos, Emerson Maciel, o asfalto com plástico reciclado, além de sustentável, apresentou resultados surpreendentes. “Nós chegamos à conclusão de que a durabilidade é três vezes maior do que a de um asfalto convencional. Ou seja, ele apresenta um tempo de vida muito maior, porque o plástico reciclável traz melhores propriedades ao ligante asfáltico e consequentemente ao pavimento”, avaliou Maciel.

A Stratura possui em Paulínia (SP) um dos centros de pesquisa e desenvolvimento mais modernos da América Latina. O centro está aberto para receber clientes e universitários que queiram conhecer as instalações, e trazer suas necessidades para serem convertidas em soluções de engenharia.


Fonte: Vanessa Teixeira

Comentários