Saiba como obter benefício fiscal com um plano de previdência





Até dia 27 de dezembro quem pretende aplicar em um plano de previdência privada poderá obter o benefício fiscal. Isso porque a modalidade PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) permite que as contribuições feitas sejam descontadas da base de cálculo do Imposto de Renda até o limite de 12% da renda bruta tributável anual, incluindo aportes realizados em planos de dependentes.

Por exemplo, quem tem um ganho anual de R$ 200 mil e uma previdência privada PGBL poderá deduzir até R$ 24 mil do IR. Assim, a base para o cálculo de Imposto de Renda será de R$ 176 mil. Nesse caso, o cliente economiza R$ 6.600,00 no pagamento do IR pelo formulário completo. Este valor deduzido pode ser reaplicado em outro plano de previdência ou produto de investimento.

Outra possibilidade de economizar com o Plano de Previdência é optar pela tabela regressiva do IR. Isso porque essa modalidade considera o tempo de permanência de cada contribuição e, quanto mais tempo o valor permanece aplicado, menor será a alíquota de imposto cobrada no momento do resgate ou recebimento dos recursos em forma de renda. Nos primeiros dois anos o percentual de IR é de 35%, mas pode chegar a 10% caso a pessoa mantenha os valores investidos no plano por 10 anos.

A previdência é um produto bem interessante para quem quer acumular recursos no longo prazo. Ela se adequa ao perfil de cada cliente, tanto na declaração de IR, quanto na escolha do tipo de investimento e no modelo de tributação. Por isso, sempre dizemos que ele é um produto desenhado para o futuro e quanto antes começar a construir esse patrimônio, com menos esforço mensal a pessoa vai formar essa reserva financeira. Outro ponto importante é que os aportes extras, que podem ser realizados, por exemplo, com parte do 13º salário, podem alavancar o planejamento de longo prazo, tendo em vista o efeito dos juros sobre juros.

Para contar com este benefício o cliente precisa:

• Declarar Imposto de Renda no modelo completo;

• Contribuir regularmente para o INSS ou RPPS;

• No caso das aplicações feitas em planos de dependentes, é necessário que sejam maiores de 16 anos e contribuintes regulares da Previdência Social.

PGBL ou VGBL:

Há no mercado hoje dois tipos de planos de previdência: o PGBL e o VGBL.

O PGBL é indicado para clientes que fazem a declaração do imposto de renda pelo modelo completo, de acordo com o ganho anual, pois é possível deduzir até 12% da renda bruta tributável anual da base de cálculo do Imposto de Renda. Normalmente, isso vale para quem tem um ganho acima de R$ 90 mil por ano. Nessa modalidade, o imposto cobrado no resgate ou recebimento de renda é aplicado sobre o valor total (ou seja, valor aplicado mais os rendimentos).

Já o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) é para quem faz a declaração de imposto de renda pelo modelo simplificado, é isento ou deseja aplicar mais de 12% da renda bruta tributável em previdência.

Em ambos os planos, há uma outra vantagem que é a ausência do chamado come-cotas (antecipação do recolhimento do IR em investimentos financeiros), recurso que pode ser utilizado para reinvestir no próprio plano de previdência.

Tempo e planejamento, seus melhores aliados

De a acordo com Sandra Rodrigues, superintendente de Previdência do Santander Brasil, alguns requisitos devem ser levados em conta ao contratar um plano de previdência privada:

- Objetivo do investidor – "A decisão do plano e do regime de tributação pode vir a acelerar a conquista do seu objetivo"

- Tempo (prazo de investimento) – "Quanto maior o prazo do investimento, maior o risco que se pode assumir".

- Escolha do plano de acordo com o perfil – "É importante conhecer minimamente o ativo em que se investe e os seus riscos e se perguntar se há ou não disposição para ativos mais arriscados".

"É sempre bom lembrar que previdência é a forma de você poupar com um pouquinho por mês e que vai fazer diferença lá na frente. É o potinho que você deve guardar a sete chaves e que vai te ajudar muito no futuro", afirma Sandra.


.                                           


Fonte: John Liu - diretor de Investimentos da Zurich Santander.

Comentários