Fundos multimercados são boa opção para diversificar o portfólio

                      






Fundos podem ser compostos por ativos que vão de ações a CDBs, passando por títulos públicos, derivativos e até moedas e commodities.

O número de brasileiros que veem no mercado de capitais uma forma de complementar suas economias está crescendo. Em janeiro de 2022, a B3 chegou à marca de 5 milhões de contas de pessoas físicas abertas em corretoras do país. Ainda, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), o volume financeiro investido pelos brasileiros em títulos no primeiro trimestre de 2022 chegou a R$2 trilhões, recorde da série histórica da entidade, com início em 2014.

O que também cresceu foi a diversificação. De acordo com a B3, se em 2016 três a quatro pessoas físicas (75%) detinham somente ações, em 2021 o percentual foi de 35%. Para quem deseja diversificar o portfólio, uma boa opção são os fundos multimercados, que, como o próprio nome sugere, aloca o capital dos cotistas em diversas opções, tanto em renda fixa, com regras de rendimento definidas antes da aplicação, quanto em renda variável, cujo retorno não pode ser determinado no momento da compra. Assim, esses fundos podem ser compostos por ativos que vão de ações a Certificados de Depósito Bancário (CDBs), passando por títulos públicos e derivativos, entre outros.

A lógica seguida é a mesma de outros tipos de fundos de investimento: são reunidos recursos de diversas pessoas, sendo que a soma desse dinheiro forma o patrimônio que será aplicado por uma instituição ou profissional – o gestor.

De forma resumida, é como se os fundos fossem um condomínio, uma entidade, em que os investidores são os cotistas e onde os ganhos e perdas serão compartilhados na proporção do valor investido. Nesse contexto, são os gestores que administram o patrimônio, segundo as normas já estabelecidas para o fundo. A principal diferença é que os fundos multimercados têm um leque de opções muito maior.

É importante lembrar ao investidor que o ambiente de fundos no Brasil é regulamentado através da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), o que confere ampla regulação e segurança aos investidores. Na dúvida, qualquer investidor pode consultar o site da autarquia para averiguar o fundo e a gestora do fundo e sua regulamentação junto à CVM.

Os fundos multimercados podem até mesmo investir em moedas, como dólar, euro, libra e iene, para citar algumas, e em commodities, como ouro, prata, petróleo, etc. A gama de operações é bastante ampla e relevante, permitindo que se recorra a várias estratégias. Os fundos multimercados, desta forma, têm um grau de flexibilidade maior do que os de ações.

Importante ressaltar que ainda que o fundo seja multimercado, ele possui uma segregação. Às vezes, o gestor tem uma estratégia específica, focando só num tipo de ação. Interessante, portanto, analisar o fundo e conversar com a equipe de gestão para entender qual é o racional por trás dos investimentos.

- Riscos e vantagens:

Além da diversificação do portfólio, os fundos multimercados têm como principais vantagens a gestão profissional e as estratégias flexíveis de investimentos. Riscos, por sua vez, são a liquidez, atrelada ao fato de que alguns desses fundos podem ter prazos de resgate consideravelmente longos, e os riscos do próprio mercado e de crédito.

Um ponto fundamental a ser observado é se o fundo utiliza alavancagem. De maneira simplificada, trata-se de um fundo que aplica em ativos sem ter, necessariamente, o dinheiro disponível, como se fosse um empréstimo, multiplicando o valor dos aportes e impulsionando os investimentos sem a necessidade de um maior capital inicial.

Por mais que possa ser bastante rentável, essa modalidade de fundo traz riscos relevantes. Ao mesmo tempo que acelera o ritmo de ganho, eventualmente acelera também o ritmo de perda.

-Taxas e tributações:

Taxas que incidem sobre os fundos multimercados incluem a de administração, para remunerar a instituição que cuida da gestão, distribuição e administração do fundo; de performance, dependendo dos índices de referência do mercado financeiro que as aplicações superarem; e de saída, no momento de resgatar a cota, comumente cobrada quando há um prazo estipulado.

Quanto à tributação, a maioria dos fundos multimercados são tributados como os de renda fixa, podendo incidir Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), cobrado se o resgate ocorrer num período menor do que 30 dias, contados a partir da aplicação, e Imposto de Renda (IR), que segue uma tabela regressiva de alíquotas – quanto mais tempo o volume permanecer aplicado, o valor que deverá ser pago ao governo será menor.

- Quem pode investir?

Alberini diz que qualquer pessoa pode investir num fundo multimercados, sendo crucial estudar as opções disponíveis e verificar quais se adequam melhor ao perfil e objetivos. Conversar com especialistas, gestores e corretores é essencial.

Sobre o valor mínimo de aplicação, o sócio da CTM Investimentos pontua que há desde fundos que exigem centenas de milhares de reais a fundos que permitem aplicações mais baixas, na casa dos R$1 mil, caso do fundo da própria CTM.

Vale olhar para as plataformas de investimento ou diretamente com o gestor do fundo. De qualquer forma, os fundos multimercados são uma classe que deveria caber para todos que desejam diversificar sua carteira. O primeiro passo para quem deseja começar a tomar um pouco mais de risco são os fundos multimercados.


Fonte: Daniel Alberini - Diretor de Gestão e sócio da gestora independente CTM Investimentos

Comentários