A formalização digital está alinhada com o ESG?







Há tempos as empresas vêm envidando esforços para se alinharem a ações que visam atenuar os impactos causados pelo crescimento desenfreado do mercado. Embora o objetivo das companhias, por óbvio, seja majorar os lucros para se manter no mercado, o crescimento sem critérios, sem planejamento e sem ética traz benefícios efêmeros.

Assim sendo, foi com esta visão e preocupação que nasceu o acrônimo ESG (Environmental, Social and Governance), “cunhado em uma publicação de 2004, do Pacto Global da ONU, em parceria com o Banco Mundial, chamada Who Cares Wins. Surgiu de uma provocação do secretário geral da ONU, Kofi Annan a 50 CEO’s de grandes instituições financeiras, sobre como integrar fatores sociais, ambientais e de governança no mercado de capitais” (fonte: Pacto Global).

Nesse sentido, nada mais importante que unir as ações que até então já vinham sendo realizadas por muitas empresas e que agora ganham um caráter mais formal e de transparência. Isso facilita a avaliação do quanto as empresas estão aderentes e em conformidade com tais práticas.

Sob esse ponto de vista, o “E” de Environmental, nada mais é que a convergência das ações de sustentabilidade, como a conservação ou redução do impacto ambiental, pegada de carbono, eficiência energética e gestão de resíduos.

Já o “S” de social, envolve todos os colaboradores, investidores, fornecedores, comunidades no entorno, com intuito de criarem mecanismos positivos, seja no ambiente de trabalho, como ações voluntárias e outros temas correlatos como a privacidade e a proteção de dados.

Por fim, o “G” de governança, é a tradução de maior transparência de indicadores de gestão dos negócios e sua conformidade ou compliance com padrões e práticas estabelecidas.

A formalização digital e o seu alinhamento com o ESG:

A crescente prática do paperless (Escritório sem papel), que ganhou maior ênfase no período de pandemia, consolidou de vez o uso do meio digital para a formalização de documentos eletrônicos com total validade jurídica. Contudo, a insegurança e as dúvidas sobre sua aplicabilidade e sua aceitabilidade no mercado foi substituída pela necessidade impositiva de que os documentos precisavam seguir seu fluxo e o meio digital foi a única alternativa viável.

Hoje há um reconhecimento de que essa prática está muito alinhada às questões ambientais, uma vez que ela contribui com a redução de papel, que por sua vez impacta positivamente na redução de consumo de água, energia elétrica e emissão de CO2. Fatores esses, necessários no processo de fabricação do papel e também oriundos dos escapamentos dos meios de transportes utilizados para levar e trazer documentos.

Nesse contexto, a proteção e a privacidade de dados, hoje muito necessárias e embasadas na LGPD, são proporcionadas por plataformas robustas que garantem a tramitação destes documentos com o uso de criptografia e outros recursos tecnológicos que protegem o seu acesso e seu entendimento.

Por fim, para atender à governança nos quesitos de rastreabilidade e auditoria, estas devem ser supridas pelas mesmas plataformas que dão segurança aos documentos e seus signatários.

A QualiSign tem em seus diferenciais, 28 anos no desenvolvimento de soluções robustas e seguras para o mercado brasileiro: segmentos financeiro, seguros, serviços e indústria. É autoridade de carimbo de tempo junto ao Observatório Nacional e Autoridade de Registro junto à ICP-Brasil. Assim sendo, oferece aos seus clientes uma plataforma segura e única de serviços de formalização com assinatura digital, eletrônica, aceite digital, e-mail para notificações e outros serviços, em total conformidade com a LGPD e demais legislações do país.


Fonte: Luis Rodrigues

Comentários