A Black Friday está chegando

                        


Infelizmente, muitas pessoas estão endividadas neste momento, sendo que cerca de 80% estão endividada e 30% tem pagado suas contas com atrasos e, consequentemente, com juros.

Mas quais os motivos que levam a essa situação? Por que esse endividamento acontece? Martello destaca que há duas razões que envolvem o dilema. Ou a pessoa quer antecipar o futuro ou não está preparada para eventualidades - ou ainda, as duas coisas juntas. É normal que nossos desejos e necessidades aconteçam mais rapidamente que nossa capacidade em gerar dinheiro. Quando realizamos uma vontade, já começamos a querer outra coisa, mas não conseguimos dobrar o salário de um mês para o outro. Essa ansiedade faz com que a gente vá mais rápido em gastar do que ganhar, é onde as pessoas acabam criando dívidas e pedindo empréstimos. Primeiro ganhe e depois gaste.

Por outro lado, faz parte da vida ter problemas no meio do caminho e por isso é preciso estar devidamente preparado. Ter uma reserva de emergência para quando algo acontecer. Isso é importante para não ter que contar com o bolso do outro, onde eu tenho que pagar juros, tornando-se um efeito cascata. Esses dois pontos se resolvem com planejamento.

Há também outros comportamentos que potencializam esses gastos, principalmente em épocas de promoção. “Não é porque uma coisa tem desconto que precisamos comprar.

Cerca de 80% daquilo que as pessoas adquirem são por impulso - ou seja, oito a cada dez coisas podem ficar paradas no fundo do armário. Por isso, é preciso pensar antes se o produto ou serviço é realmente necessário. Partindo do pressuposto que sim, comece a fazer uma varredura de preços, usando os buscadores que ajudam a comparar esses valores.

Na Black Friday antiga, algumas lojas aumentavam os preços antes do dia e depois baixaram para parecer desconto. Fique atento! Tem gente que gosta de anotar os custos em planilha, comparando por data e loja. Tem quem prefira caderno, mas qualquer tipo de organização e planejamento é viável. Com o celular na mão, mandar um print para você mesmo no WhatsApp, por exemplo, pode ser uma sugestão. É muito pessoal a maneira como será realizada essa estratégia, mas ela precisa ser feita. Hoje em dia há plataformas e aplicativos que monitoram o preço de produtos e loja, facilitando ainda mais a tarefa.

Dados históricos do Procon mostram que os maiores picos de reclamação são próximos ou durante a Black Friday. Ao se deparar com situações em que o consumidor se sente lesado, é necessário que seja realizada a reclamação de maneira oficial. Os canais para isso podem incluir Reclame Aqui, o próprio Procon e agências reguladoras do setor em questão, como a Anatel é para serviços de telefonia.

Além de uma boa pesquisa e estar atento às letras miúdas que dificultam o acesso a informações importantes, pode-se ainda usar cupons de desconto, preferir lojas que deem benefícios como menores taxas na primeira compra e compartilhar com amigos o consumo de produtos como assinaturas ou taxas de entrega.



Fonte: Thiago Martello - Educador financeiro, Founder da Martello Educação Financeira, Agente Autônomo de Investimentos pela CVM e especialista em Investimentos ANBIMA, Autor do livro “Desplanilhe-se”, Representante regional do estado de São Paulo e Embaixador da APOEF.

Comentários