Guerra pode modificar formas de negociação com empresas do agronegócio brasileiro


A guerra iniciada pela Rússia causa uma série de situações às demais nações, impactando desde áreas econômicas, sociais e rurais de vários países. No Brasil, a atenção se volta ao agronegócio, já que o país é o maior exportador de fertilizantes aos brasileiros, impactando diretamente, a safra 2022/2023. De acordo com dados da Comex Stat, da produção russa em 2021, cerca de 23% dos insumos foram importados pelo Brasil, que vê o momento com preocupação.

Segundo Edgard Rodrigues Rocha Junior, Diretor Jurídico e de Commerce da Integrity, empresa voltada a iniciativas corporativas e membro do AML Group, além das questões de relacionamento com o país estarem estremecidas, as sanções comerciais também podem ser um impeditivo para a realização de negociações.

“As sanções impostas à Rússia por outros países podem refletir diretamente nas empresas brasileiras, uma vez que não é de bom tom que as relações comerciais sejam mantidas quando esses embargos são anunciados. Estamos falando de um sistema brasileiro de agronegócio integrado, com uma cadeia dependente da outra, então, acredita-se que por mais que sejam os fertilizantes o principal problema, essa ação resultará em outras pontas, sejam elas produtivas e para o consumidor”, destacou.

Porém, de acordo com Edgard, essa situação pode também ser uma oportunidade para que o Brasil diversifique seus fornecedores ou ainda intensifique as pesquisas para a produção do insumo. 

“Existem mercados que poderiam suprir esta demanda, como a China, por exemplo, porém, é preciso avaliar de forma estratégica, já que no passado o Brasil passou por situações delicadas com o país. Quando falamos que o Brasil atenderia a demanda, estamos com os olhares voltados para o futuro, já que as pesquisas estão avançadas, mas sem muito incentivo para que evolua de forma rápida e absorva essa demanda”, explicou Rocha Junior.

Edgard salienta que este também pode ser um bom momento para que as negociações do agro brasileiro sejam reavaliadas e passem a atender as demandas de órgãos e entidades, que exigem empresas alinhadas às melhores práticas de ESG, com políticas de integridade, além de avaliarem possíveis situações que desabonem a negociação. 

“O mundo está passando por uma busca pela sustentabilidade e o agro está com os olhares voltados para isso neste momento. Temos órgãos reguladores no exterior que se recusam a trabalhar com empresas que possuem registros de crimes ambientais ou então ações que possam desabonar essa relação comercial.”

Fonte: Integrity (faz parte do AML Group).

Comentários