Seis investimentos para os investidores ficarem atentos


O Banco Central (BC) anunciou mais um aumento na taxa Selic, desta vez em um ponto percentual, chegando na casa dos 11,75% ao ano. A preocupação com a inflação, que continua sua escalada de crescimento, se agrava em decorrência do conflito entre a Rússia e a Ucrânia e faz com que o mercado reveja as suas projeções para a taxa básica de juros até o fim de 2023.

De acordo com o Relatório Focus da última segunda-feira (14/03), divulgado pelo Banco Central, as expectativas para a Selic subiram de 12,25% para 12,75% ainda em 2022. Já para 2023, as projeções subiram de 8,25% ao ano para 8,75%, indicando que a renda fixa deve continuar com a preferência dos brasileiros.

“Assim que o Copom (Comitê de Política Monetária) anuncia que a Selic subiu mais uma vez, essa mudança faz com que as aplicações no Tesouro Direto Selic, por exemplo, passem a render mais no dia seguinte”, comenta Diogo Santos, assessor de investimentos da iHUB Investimentos.

Se por um lado o aumento da Selic pode ser muito negativo para quem precisa de um empréstimo, por exemplo, ela pode trazer rendimentos importantes para o investidor. 

Abaixo, confira seis investimentos que o investidor pode ter bons rendimentos após o recente aumento da taxa Selic:

1) Tesouro Direto Selic: 

O Tesouro Direto Selic rende 100% da taxa básica de juros. No início de 2021, o retorno para quem aplicava nessa opção de investimento era de 2% ao ano, o que era considerado muito pouco e fez muita gente resgatar sua aplicação. Porém, esse valor foi subindo ao longo do ano, e após a última alta feita pelo BC ele passou a render 11,75% a.a.


“Essa aplicação é considerada por muitos analistas o investimento mais seguro no Brasil. Além de trazer segurança, ele rende mais do que a poupança e caso o resgate seja solicitado até às 13h o recurso é liberado no mesmo dia, após este horário a liquidez é em D+1, ou seja, o dinheiro cai na sua conta no dia seguinte”, explica o assessor de investimentos da iHUB.

2) CDB – Certificado de Depósito Bancário: 

Os CDBs também são ótimas oportunidades para quem busca se beneficiar de mais um aumento da taxa Selic. Existem alguns tipos de certificados de depósito bancário, mas aqui o destaque vai para os títulos pós-fixados e atrelados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário) - taxa que os bancos e instituições financeiras usam para fazerem empréstimos entre si-, essa opção historicamente segue a Selic, por isso, quando a Selic sobe o CDI acompanha e vice-versa.

Diogo explica que para quem precisa de liquidez diária eventualmente há oportunidades que pagam em média 103% do CDI na plataforma da XP, mas é importante saber que isso varia de acordo com a disponibilidade do produto.

Agora, para aqueles que não têm a necessidade de uma liquidez tão curta e podem deixar dinheiro investido, é possível encontrar opções que pagam 120% do CDI ou até mais, que também depende da disponibilidade.

Na prática, quando se investe em CDBs o investidor está realizando um empréstimo para o banco e, por isso, ele é remunerado. Vale ressaltar que os CDBs contam com uma segurança adicional que é a cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) de até R$250 mil por CPF e por instituição, caso o banco emissor venha a falir.

3) LCI – Letra de Crédito Imobiliário: 

As LCIs foram criadas para impulsionar o mercado de crédito imobiliário no país, em termos práticos elas são títulos emitidos por bancos que emprestam esse recurso para empresas ligadas ao mercado imobiliário. São muito parecidas com o CDB, porém, possuem um diferencial muito interessante que é o fato de ser isenta de imposto de renda.

“É comum encontrar LCIs que pagam 100% do CDI, mas vale lembrar que por ser isento de IR, uma LCI com vencimento para até 180 dias é equivalente a um CDB que paga 129% do CDI, por isso, vale a pena fazer essa conta e se tiver dúvidas converse com seu assessor” explica Santos.

Assim como os CDBs, as LCIs também contam com a garantia do FGC.

4) LCA – Letra de Crédito do Agronegócio: 

As LCAs são muito parecidas com as LCIs, com a diferença de que vieram para incentivar o agronegócio. Elas também são isentas de IR e contam com a garantia do FGC.

5) LC - Letra de Câmbio: 

As LCs seguem o mesmo princípio dos CDBs, mas ao invés de emprestar aos bancos, neste caso, o investidor empresta para instituições financeiras de crédito, mais conhecidas como financeiras. Elas também possuem garantia do FGC.

6) Fundos de investimento Referenciados DI: 

Os Fundos DI, como o nome sugere, buscam obter retornos que acompanham o CDI, suas características principais são: baixa volatilidade e baixas taxas de administração.

Com frequência são utilizados como caixa ou reserva de emergência por possuírem retornos próximos ao CDI, aliado a liquidez imediata ou D+1. Mas, isso pode variar de fundo para fundo e, por isso, é muito importante ler o prospecto e conversar com um assessor de investimentos para se assegurar de que a escolha está adequada a seu objetivo.

“Esses seis principais títulos vão se beneficiar dessa nova alta da Selic. O mais interessante é que por serem pós-fixados, caso a Selic continue a subir eles vão acompanhar e o contrário também é verdadeiro”, finaliza Diogo.


Fonte: iHUB Investimentos.

Comentários