Guerra na Ucrânia: bem-vindos ao admirável mundo velho


Notícias recentes fazem crer que o mundo caminha para a tão esperada volta à normalidade. As medidas de isolamento com relação à Covid-19, vem sendo abandonadas nação a nação. Talvez não seja sem tempo, a história dirá.

A história também nos ensinou, que alguns dos maiores passos dados pela humanidade, ocorreram após grandes tragédias. Foi assim com todas as grandes guerras, grandes recessões ou grandes opressões, e ainda há que se relevar, que a pandemia aproximou as pessoas por todo o planeta, de uma forma inédita, nunca vista em nenhuma outra grande crise humanitária.

O sofrimento em comum fez também surgir o esforço em comum. O mundo se uniu para encontrar soluções, para cooperar, para se solidarizar. Existiu algum outro momento em que a voz mundial foi quase uníssona na busca pelos mesmos objetivos?

Essa união foi a maior responsável por melhorias significativas em áreas estratégicas. Na área médica, os processos para o desenvolvimento de vacinas evoluíram em um ano, o que demoraríamos dez anos para alcançar. Isso terá impacto expressivo em outras pandemias ou endemias. Os estudos para entender o vírus que assolava a humanidade, proporcionaram avanços no combate a outros vírus como o HIV, além do acesso a tecnologias que permitirão novas abordagens no combate ao câncer.

Na área de comunicação, tecnologias foram desenvolvidas para possibilitar o trabalho remoto. Ocupações de grandes espaços de escritórios foram revistas, podendo impactar positivamente na produtividade e qualidade de vida das pessoas, especialmente após necessários ajustes, como o correto controle do tempo trabalhado, para não penalizar aqueles que optaram por trabalhar em suas residências.

Então, devemos sair fortalecidos e um novo horizonte se abre frente aos nossos olhos. Será? Quando abro o jornal, percebo que a pandemia não ocupa mais as primeiras páginas, substituídas por notícias da Guerra na Ucrânia, como se todo esforço tivesse sido esquecido, apagado. Como se tivéssemos, simplesmente, voltado a um velho e conhecido normal.

A história não costuma errar. Resta saber se ainda existe espaço para o tão falado “novo mundo” e se extrairemos dessa tragédia algo que nos torne melhores, ainda que seja através de um pequeno passo dado em direção a um futuro mais justo e solidário.                                                                                                           
Fonte: Marcelo Marçal - escritor, médico nefrologista e gestor em saúde é autor da distopia ICTUS - O prisioneiro sem nome.

Comentários