COP26: se países não cumprirem acordo, ecossistemas irão colapsar


Na 26ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, realizada entre 31 de outubro e 12 de novembro em Glasgow, no Reino Unido, muito se discute sobre as ações para fomentar a transformação rumo à economia de baixo carbono e alcançar o objetivo lançado no Acordo de Paris, de 2015.

O acordo, que se resume em um compromisso mundial sobre as alterações climáticas, prevê metas para a redução da emissão de gases do efeito estufa. Entre os objetivos estão: aumentar a capacidade de adaptação aos impactos negativos da mudança do clima, promover a resiliência à mudança do clima e tornar os fluxos financeiros compatíveis com uma trajetória rumo a um desenvolvimento de baixa emissão de gases de efeito estufa.

Por meio desse acordo, os governos se comprometeram em manter a temperatura média mundial abaixo dos 2°C em relação aos níveis pré-industriais e em envidar esforços para limitar a elevação a 1,5°C. Para tanto, os países apresentaram planos de ação nacionais abrangentes para reduzirem as suas emissões por meio da formulação de sua Contribuição Nacionalmente Determinada (sigla em inglês).

Recentemente foi divulgado novo relatório pelo Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC), informando que as alterações já estão acontecendo e de forma mais rápida e intensa do que se imaginava, como resultado da ação humana (antrópica).

O fato é que as nações não conseguem cumprir as metas acordadas. E, se as previsões se concretizarem, teremos: o colapso de alguns ecossistemas com a consequente extinção de espécies e mudança em todo o equilíbrio planetário; o aumento do nível e aquecimento de oceanos; seca e calor extremo em algumas regiões - como temos percebido mais recentemente, provocando mais fome e disseminação de doenças, inclusive com maiores chances de novas epidemias.

Importante ainda pontuar que, entre 2002 e 2012, eventos climáticos extremos causaram uma perda econômica média de 0,68% no PIB (R$ 278 bilhões no período). Até 2050, se o aquecimento global superar 1,4 °C, o PIB pode diminuir até 2,3% a cada ano, totalizando R$ 3,6 trilhões daqui até lá.


Fonte: Renata Franco- especialista em Direito Ambiental e Regulatório

Comentários