Reciclagem do vidro, o futuro da indústria depende da economia circular


Em 2020, a indústria de bebidas vivenciou um cenário de grande preocupação. A produção nacional cresceu de 6% a 7% no final de 2020, porém era esperado um crescimento maior, que não foi possível por conta da escassez de matéria-prima para a embalagem. 

As empresas encontraram dificuldades para atender o consumidor final e muitas tiveram que importar quase 30% de sua necessidade a um preço super elevado. Já outras tiveram que optar pelo alumínio, que teve uma alta de quase 24% do seu valor. 

Pelo que se sabe, não se trata de um novo contexto para os recipientes de vidro. Desde 2018, a fabricação nacional não consegue atender o aumento do consumo da indústria cervejeira e vinícola. Com a pandemia, essa situação se agravou.

O medo e a incerteza de um futuro desconhecido provocado pela Covid-19, fez com que os fabricantes de cerveja, vinhos e refrigerantes freassem a compra de embalagens por receio de uma diminuição na venda de produtos. Porém, o que aconteceu foi que o consumo de bebidas aumentou quase 100% neste período. Além disso, os itens eram comprados em supermercados e não em restaurantes e bares, dificultando a volta do insumo para as fábricas e ocasionando um descarte maior de garrafas.

A alta do dólar sobre o real também foi um fator de grande impacto. Sendo assim, a importação de vidro ficou inviável, pois se ela fosse realizada com a cotação atual, o consumidor pagaria essa conta com o aumento no preço do produto. O que seria muito complicado, principalmente neste momento em que o desemprego e inflação no país batem recordes. Por conta de todos esses fatores é que a reciclagem é tão importante e necessária.

O vidro é um material 100% reciclável, ele leva 4 mil anos para se decompor e pode ser reutilizado infinitas vezes. Se pensarmos de uma maneira lógica, não seria necessário comprar matéria-prima, pois temos garrafas fabricadas o suficiente que podem ser reutilizadas, gerando uma economia circular favorável.

Além desse modelo abastecer um mercado necessitado, também estamos falando de sustentabilidade. A volta do vidro como recipiente é a realidade de um mundo que respeita a natureza. O uso desnecessário de plástico causa um impacto negativo e danos irreversíveis para o planeta. Por muito tempo, para comprar um refrigerante ou cerveja você precisava trocar por uma garrafa vazia, trocar o que já está usado por um novo. 

Basicamente é isso que estamos falando, como se fosse um ciclo, onde não há espaço para o desperdício. Além de ser favorável ao meio ambiente, é um mercado em ascensão acelerada, pois ele assiste uma necessidade de grandes indústrias de bebidas, principalmente em um momento de alta do dólar e grande procura.

Com o assunto ESG em discussão, muitas empresas já estão optando por fazer parte de negócios que respeitem o meio ambiente. As marcas querem ter seus nomes atrelados a projetos sustentáveis, como é o caso da Heineken e da Coca-Cola que já entenderam a importância de cuidar e preservar a natureza. Por isso, hoje já se beneficiam dessa estrutura circular de comércio, investindo em projetos que fazem a recolha do casco e a reciclagem do insumo.

O reaproveitamento do vidro é um negócio que tem todos os motivos para desenvolver-se. Sustentável, gera emprego e supre a necessidade da indústria. Projetos assim geram consequências sociais e ambientais efetivas, por isso é um modelo que podemos e devemos investir mais. Um assunto que ainda vamos ouvir falar bastante!



Fonte: Rodrigo Clemente - empreendedor e fundador da JVMC.

Comentários