quinta-feira, 8 de abril de 2021

Especialista dá dicas para evitar prejuízos ao enviar dinheiro para o exterior


No ano passado, entre os meses de janeiro e outubro, os brasileiros movimentaram R$ 3,36 bilhões em remessas internacionais, segundo dados do World Bank. Mesmo com a pandemia da Covid-19, o montante é 4,5% a mais do que todo o ano de 2019, quando o fluxo ficou em R$ 3,21 bilhões. 

Essa movimentação tem chamado a atenção das autoridades, órgãos reguladores e do mercado como um todo, que nos últimos anos se dedicam ao desenvolvimento de novas soluções, com produtos e serviços para atenderem o vai e vem de ativos financeiros.

Na esteira das inovações, contudo, o consumidor precisa se precaver para evitar fraudes, prejuízos ou, até, contratempos. Um exemplo é o que, desde o dia 18 de fevereiro, interrompeu parte da operação de uma das principais plataformas internacionais dedicada a remessas de valores entre países, a Transferwise, aqui no Brasil.

A empresa suspendeu o serviço de envio de recursos do país para o exterior, em virtude do fim de um acordo que mantinha com um banco especializado em câmbio, o MSBank, que era quem, de fato, operava a transação. A notícia trouxe ansiedade para alguns clientes, que passaram a garimpar soluções pelo mercado.

Pontos importantes que requerem atenção especial antes de efetuar qualquer tipo de pagamento ou transferência de valores para outro país.

- Confira a seguir.

1 - Quem realmente vai mandar o dinheiro do cliente para fora?

Muitas empresas se apresentam como soluções completas para o envio de recursos para o exterior, mas são na verdade plataformas que buscam clientes e terceirizam a operação para uma outra companhia. Tulio Portella, diretor Comercial da B&T, afirma que é importante procurar saber o nome de quem, de fato, vai enviar ou trazer o dinheiro, além de pesquisar sobre a reputação do negócio. "São cuidados fundamentais para evitar contratempos. Muito consumidor, no desejo de resolver o problema rapidamente, amarga prejuízos por pura falta de informação", destaca.

2 - A empresa é autorizada pelo Banco Central?

Nem todos sabem, mas para operar no mercado de câmbio e de remessa de recursos, a empresa precisa estar devidamente registrada e licenciada pela autoridade máxima na gestão de ativos financeiros no Brasil, o Banco Central do Brasil (BCB). É possível consultar se a empresa é ou não regularizada para a atividade no site da instituição, o www.bcb.gov.br. Outro “selo de garantia de credibilidade” é estar associada à Abracam - Associação Brasileira de Câmbio.

3 - A empresa opera câmbio ou faz apenas remessas?

Grandes empresas de câmbio tendem a ser mais estáveis e a prestar um serviço com menor risco e maior agilidade. Na hora de escolher pelo operador, Tulio Portella observa que, ao buscar uma empresa que realiza diversos tipos de operações de câmbio, com capacidade de atender grandes volumes, pode oferecer, também, um serviço de maior segurança. "Uma empresa estruturada e com outras modalidades de serviço acaba possuindo um conjunto maior de alternativas quando enfrenta um problema comercial, como o que aconteceu recentemente com a Transferwise", afirma. "Uma empresa que trabalha com grandes operações de importação e exportação faz o processo de remessa de pessoa física com muito mais facilidade graças à infraestrutura que possui", diz o especialista de câmbio.

4 - Como é o suporte e o atendimento em caso de problemas?

É importante destacar que, mesmo com empresas sérias, os problemas podem acontecer. Nesse caso, é importante contar com negócios reconhecidos pelo atendimento e que tenham canais amplos de suporte, inclusive com lojas físicas no Brasil.

5 - Como será o recebimento do dinheiro no exterior?

Algumas empresas se tornam fortes no Brasil, mas são ainda pequenas no exterior, o que pode gerar dificuldades para quem precisa sacar o dinheiro enviado fora do Brasil. "Nós, da B&T, por exemplo, utilizamos a rede da Moneygram, uma das maiores e mais tradicionais empresas de remessa de dinheiro dos Estados Unidos, fundada em 1940. No ano passado, em parceria com eles, lançamos o aplicativo EasyWay Remessas, para oferecer mais conforto e agilidade aos clientes que desejam fazer suas transações diretamente pela plataforma", diz Tulio Portella.

6 - Como são os custos e as taxas envolvidas?

Antes de fechar contrato com alguma empresa aqui e no exterior ou se comprometer a enviar remessas, é importante saber que toda transação realizada entre países diferentes implica no pagamento de impostos e, depois, nas taxas de remessas. Certifique-se desses valores antes de fechar a operação.


Fonte: Tulio Portella - Diretor Comercial e da mesa de operações RJ da B&T Corretora de Câmbio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário