Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo comemorará 90 anos em 2021, ampliando programas ambientais


Por meio de sua Divisão de Meio Ambiente e Sustentabilidade, a entidade, maior instituição associativa da América Latina, está ampliando suas ações nessa área, com novos programas. 

“Já temos estações próprias de tratamento de esgotos em oito unidades de lazer destinadas à hospedagem turística de nossos associados”, salienta seu presidente, Álvaro Gradim. São duas em Amparo, uma em Serra Negra, uma em Maresias (município de São Sebastião), uma em Lindoia, uma em Socorro e uma em São Pedro, no território paulista, e uma em Areado, Minas Gerais.

“A legislação não obriga estabelecimentos hoteleiros a tratarem o próprio esgoto, que é lançado nas redes existentes nas cidades. No entanto, a AFPESP sempre teve um forte compromisso com as boas práticas ambientais, exercitando sua responsabilidade perante os associados e a sociedade das cidades nas quais está presente”, observa Gradim.

A água resultante dos esgotos tratados pela entidade é devolvida à natureza, em perfeitas condições de limpeza e pureza. Na unidade de Serra Negra, é reutilizada em áreas externas, como na irrigação de pomares. 

Dessa maneira, a associação contribui para a melhoria do saneamento básico nos município e para a economia de água, fatores relevantes para o avanço da sustentabilidade ambiental.

Dentre as novas ações, destaca-se o mapeamento da flora do entorno das unidades, com identificação das árvores, nas quais estão sendo colocadas placas com QR code, para indicação da espécie. O programa já está implantado em Lindoia, devendo ser estendido a outras unidades em 2021, pois muitas estão localizadas em áreas verdes, inclusive de reflorestamento. 

“Esta iniciativa, além de contribuir para a preservação e monitoramento da cobertura vegetal, tem um interessante viés cultural, ajudando os visitantes e turistas a conhecerem melhor a flora paulista e brasileira.

Projeto semelhante refere-se à fauna, que será mapeada nas áreas onde se localizam várias unidades de lazer, nas quais há grande variedade de animais silvestres. 

“Com o tratamento de esgotos, monitoramento e proteção da flora e fauna, estamos ajudando, também, a preservar matas ciliares, pois muitos de nossos estabelecimentos localizam-se em locais com rios. 

Contribuímos, ainda, para a economia de água e melhoraria do saneamento básico”, ressalta o presidente da AFPESP.

Na sede administrativa da entidade, na cidade de São Paulo, está sendo implantada horta orgânica no terraço do edifício. Ideia é fornecer, com redução de custo, verduras e legumes diretamente ao restaurante que funciona no local, que atende os associados nos almoços de segunda a sexta-feira. Iniciativa será replicada nas unidades do interior que tenham espaço adequado para essa finalidade.

“Vamos comemorar os 90 da AFPESP com ações práticas congruentes com a responsabilidade ecológica da entidade, cujo objetivo é manter ganhos ambientais e de carbono no âmbito de todas as suas atividades, inclusive controlando e adotando, quando cabível, medidas compensatórias em cada uma delas”, enfatiza Gradim.




Fonte: Simone Câmara

Comentários