quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Questões ambientais e transformação digital foram impulsionadas pela covid-19


Como resposta à pandemia da covid-19, 73% dos CEOs brasileiros entrevistados pela KPMG afirmaram que ganharam uma importância maior os temas relacionados ao comportamento social e às questões de meio ambiente, social e governança, conhecidas pela sigla em inglês ESG (Environmental, Social and Governance). 
Entre eles, 20% discordam desse movimento enquanto 7% não concordam e nem discordam. 

Os dados constam na pesquisa anual intitulada CEO Outlook 2020 que entrevistou os líderes de oito setores da economia. Além de ter um capítulo completo dedicado ao impacto do isolamento social nas estratégias de negócios das companhias, reuniu questões como perspectivas econômicas, confiança empresarial, reputação, propósito, diversidade e futuro do trabalho.

Ainda sobre sustentabilidade, 60% dos CEOs afirmaram que querem garantir os ganhos em mudanças climáticas que foram obtidos como resultados da crise, sendo que outros 7% não pretendem fazer isso e 33% não concordam e nem discordam.

"Na percepção dos CEOs, as mudanças climáticas têm um peso muito grande no cenário atual e funcionários e clientes esperam que sejam tomadas medidas capazes de prevenir ou contornar esses problemas. Além disso, os consumidores mais jovens têm cobrado novos padrões de sustentabilidade das empresas", analisa o presidente da KPMG no Brasil e na América do Sul, Charles Krieck.

- Preocupação para o setor de agronegócio:

O estudo apontou que os temas ESG também estão na agenda de prioridade dos CEOs do setor de agronegócio. Segundo a sócia líder de agronegócio da KPMG, os fatores ESG ganharam destaque na pandemia, principalmente, nessa indústria.

"As conclusões que foram obtidas no estudo reforçam as prioridades para a agenda estratégica das empresas do agronegócio. Por ser um setor intensivo em recursos naturais, o agronegócio tem uma pressão maior da sociedade com relação à questão ambiental particularmente. Adicionalmente, a crescente associação do alimento com a saúde aumenta a preocupação da sociedade sobre a forma como o alimento é produzido. 

Por isso, produzir de forma sustentável é um desafio permanente do setor, que passa pelo gerenciamento eficiente de recursos naturais e insumos, e pela adequação para uma economia de baixo carbono. 

Diante desse novo contexto, as empresas de agro precisam potencializar as ações voltadas para o meio ambiente, social e de governança e fazer a comunicação adequada dessas ações estratégicas para a sociedade de uma forma geral", analisa a sócia.

- Sobre a pesquisa CEO Outlook 2020:

CEO Outlook é uma pesquisa global da KPMG. A edição de 2020 foi realizada nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Índia, Japão, Canadá, França, China, Austrália, Itália, Espanha e Brasil. Entre janeiro e fevereiro de 2020, antes que o mundo começasse a sentir o real impacto da crise provocada pela pandemia, a KPMG entrevistou 1.300 CEOs das principais economias do mundo, 50 CEOs brasileiros e 270 CEOs da América do Sul para entender as principais preocupações, prioridades, desafios e expectativas com relação à economia e negócios. 

Em função da pandemia, a pesquisa ganhou um capítulo dedicado ao impacto do isolamento provocada pela covid-19 nos negócios. Entre julho e agosto, foram entrevistados mais 315 CEOs globais, 15 brasileiros e 80 sul-americanos para entender como os pontos de vista desses executivos mudaram durante a crise.

Com base neste universo, o CEO Outlook 2020 traça um retrato fiel sobre o que pensam os CEOs que atuam em escala mundial, regional e local com relação ao desenvolvimento dos negócios, os desafios que os líderes enfrentam e suas estratégias para planejar o sucesso de suas organizações nos próximos anos. Tudo isso com um olhar atualizado e direcionado às questões que envolvem as mudanças geradas pela crise mundial da covid-19.


O link para acesso à pesquisa é o seguinte: https://kpmgportal.dapresy.com/manager/login.aspxtarget=EGv0FC%2fQcqSgZwBp0MXA%2b0F8ed46ynHNsKYnE%2bB%2fkxk%3d


Fonte: Charles Krieck-presidente da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Nenhum comentário:

Postar um comentário