quinta-feira, 12 de março de 2020

Década de 2010-2019 registrou recordes de temperatura alta em todo o mundo.


Novo relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM) reforça que o ano de 2019 concluiu uma década que registrou uma piora considerável em todos os indicadores relacionados ao clima global, com aquecimento terrestre e marinho recorde e maior frequência de eventos climáticos frequentes

Desde 1850, não tivemos uma década tão quente como os anos 2010, com registros recordistas de temperatura alta, degelo de calotas polares e cobertura de neve, e elevação do nível do mar. De acordo com um novo relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM), 2015-2019 foram os cinco anos mais quentes já registrados, o que coloca a década de 2010-2019 como a que registrou mais recordes de temperatura alta em todo o mundo.

O Relatório da OMM sobre o Estado do Clima Global em 2019 reforça as conclusões preliminares apresentadas durante a Conferência do Clima de Madri (COP25), em dezembro passado, e confirma que o ano de 2019 foi, isoladamente, o segundo ano mais quente já registrado, com temperatura média global de 1,1°C acima dos níveis pré-industriais estimados. Segundo a OMM, o ano passado perde apenas para 2016 entre os mais quentes já observados, quando uma ocorrência mais forte do El Niño contribuiu para um aumento da temperatura média global no topo da tendência de aquecimento.

"Estamos muito longe de atingir as metas de 1,5°C e 2°C exigidas pelo Acordo de Paris", disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres. "Este relatório descreve a ciência mais recente e ilustra a urgência de uma ação climática de longo alcance. Ele reúne dados de todos os campos da ciência climática e lista impactos potenciais futuros da mudança do clima - das consequências sanitárias e econômicas à diminuição da segurança alimentar e ao aumento de deslocamentos humanos", explica Guterres.


Para Petteli Taalas, secretário-geral da OMM, a tendência de aquecimento deve continuar ao longo dos anos 2020, com projeções de novos recordes anuais de temperatura alta para os próximos cinco anos.

"Acabamos de ter o mês de janeiro mais quente já registrado. O inverno foi sazonalmente ameno em muitas partes do hemisfério norte. A fumaça e os poluentes provenientes de incêndios prejudiciais na Austrália deram a volta ao mundo, causando um pico de emissões de CO2. As temperaturas recordes relatadas na Antártida foram acompanhadas pelo derretimento de gelo em grande escala e a perda de geleiras deve ter impacto na elevação do nível do mar", disse Taaslas.

"A temperatura é um indicador da mudança do clima que acontece hoje. Mudanças na distribuição global de chuva têm causado grandes impactos em muitos países. Os níveis do mar estão subindo a uma velocidade crescente, em grande parte por causa da expansão térmica da água do mar e do degelo das grandes geleiras na Groenlândia e na Antártida. Isto está expondo as áreas costeiras a um risco cada vez maior de enchentes e submersão de áreas mais baixas", conclui Taaslas.

Este relatório inclui contribuições dos serviços meteorológicos e hidrológicos nacionais, bem como dos principais especialistas internacionais, de instituições científicas e de agências especializadas das Nações Unidas. Ele documenta os impactos da mudança do clima e dos eventos climáticos extremos no desenvolvimento socioeconômico, na saúde humana, nos movimentos de migração e deslocamento, segurança alimentar e ecossistemas terrestres e marinhos.

- Indicadores climáticos globais:

Gases de efeito estufa: Em 2018, as frações moles de gases de efeito estufa atingiram novos máximos, com a média global de frações moles de dióxido de carbono (CO2) em 407,8±0,1 partes por milhão (ppm), metano (CH4) em 1869±2 partes por bilhão (ppb) e óxido nitroso (N2O) em 331,1±0,1 ppb. Os dados preliminares indicam que as concentrações de gases de efeito estufa continuaram a aumentar em 2019.

Uma projeção preliminar das emissões globais de CO2 fóssil usando dados dos três primeiros trimestres de 2019, sugere que as emissões cresceriam +0,6% em 2019 (com um intervalo de -0,2% a +1,5%).

- Oceanos:

Ondas de calor marinhas
Mais de 90% da energia em excesso acumulada no sistema climático como resultado do aumento das concentrações de gases com efeito de estufa vai para o oceano. Em 2019, o conteúdo de calor oceânico até uma profundidade de 2 km excedeu os recordes anteriores estabelecidos em 2018.

O aquecimento dos oceanos tem impactos generalizados no sistema climático e contribui com mais de 30% da subida do nível do mar através da expansão térmica da água do mar. Está alterando as correntes oceânicas e, indiretamente, alterando os rastros de tempestade e derretendo as plataformas de gelo flutuantes. Juntamente com a acidificação e desoxigenação dos oceanos, o aquecimento dos oceanos pode levar a mudanças dramáticas nos ecossistemas marinhos.

Em 2019, o oceano experimentou em média quase 2 meses de temperaturas invulgarmente quentes. Pelo menos 84% dos oceanos sofreram pelo menos uma onda de calor marinha.

- Acidificação Oceânica: 

Na década de 2009-2018, o oceano absorveu cerca de 23% das emissões anuais de CO2, amortecendo os impactos das mudanças climáticas, mas aumentando a acidez do oceano. A alteração do pH reduz a capacidade de calcificação de organismos marinhos como mexilhões, crustáceos e corais, afetando a vida marinha, o crescimento e a reprodução.


- Desoxigenação Oceânica: 

Tanto as observações como os modelos indicam que o oxigénio está a diminuir nos oceanos abertos e costeiros, incluindo estuários e mares semifechados. Desde meados do século passado, estima-se que houve uma diminuição de 1%-2% (77 bilhões-145 bilhões de toneladas) no inventário global de oxigênio dos oceanos.

- Ecossistemas Marinhos: 

A desoxigenação juntamente com o aquecimento e acidificação dos oceanos é agora vista como uma grande ameaça aos ecossistemas oceânicos e ao bem-estar das pessoas que deles dependem. Os recifes de coral estão projetados para diminuir para 10%-30% da cobertura anterior a 1,5°C de aquecimento, e para menos de 1% a 2°C de aquecimento.

O nível do mar subiu em todo o recorde do altímetro do satélite (desde 1993), mas a taxa aumentou ao longo desse tempo, principalmente devido ao derretimento das camadas de gelo na Gronelândia e na Antártida. Em 2019, o nível médio global do mar atingiu o seu valor mais alto do recorde.

- Gelo:

O declínio contínuo a longo prazo do gelo do mar Ártico foi confirmado em 2019. A extensão média mensal de setembro (geralmente a menor do ano) foi a terceira mais baixa do registro, com a extensão mínima diária empatada para a segunda menor.

Até 2016, a extensão de gelo do mar Antártico tinha mostrado um pequeno aumento a longo prazo. No final de 2016, isto foi interrompido por uma súbita queda na extensão para valores extremamente baixos. Desde então, a extensão de gelo do mar Antártico tem permanecido em níveis relativamente baixos.

A camada de gelo da Gronelândia registrou nove dos 10 anos de menor balanço de massa de superfície nos últimos 13 anos. E 2019 foi o 7º mais baixo de sempre. Em termos de balanço de massa total. A Gronelândia perdeu cerca de 260 Gt de gelo por ano durante o período 2002-2016, com um máximo de 458 Gt em 2011/12. A perda em 2019 foi de 329 Gt, bem acima da média.


- Glaciares: 

Resultados preliminares do Serviço Mundial de Monitorização de Glaciares indicam que 2018/19 foi o 32º ano consecutivo de balanço de massa negativo para glaciares de referência selecionados. Oito dos dez anos de balanço de massa mais negativos foram registrados desde 2010.

- Impactos relacionados ao clima:

O relatório dedica uma extensa seção aos impactos climáticos e meteorológicos na saúde humana, segurança alimentar, migração, ecossistemas e vida marinha. Isto é baseado na contribuição de uma grande variedade de parceiros das Nações Unidas.

- Saúde:

As condições extremas de calor estão a ter um impacto crescente na saúde humana e nos sistemas de saúde.

Em 2019, as altas temperaturas recordes da Austrália, Índia, Japão e Europa afetaram negativamente a saúde e o bem-estar. No Japão, uma grande onda de calor resultou em mais de 100 mortes e 18 000 hospitalizações adicionais. Em França, entre Junho e meados de Setembro, foram registadas mais de 20 000 emergências por doenças relacionadas com o calor e, durante duas grandes vagas de calor no Verão, registou-se um total de 1 462 mortes em excesso nas regiões afetadas.

Mudanças na capacidade vetorial global para vetores do vírus da dengue, calcular usando dados climáticos históricos.

As mudanças nas condições climáticas desde 1950 estão facilitando a transmissão do vírus da dengue pelas espécies de mosquitos Aedes, aumentando o risco da ocorrência da doença. Paralelamente, a incidência global do dengue cresceu drasticamente nas últimas décadas, e cerca da metade da população mundial está agora em risco de infecção. Em 2019, o mundo experimentou um grande aumento nos casos de dengue.

- Segurança Alimentar:

A variabilidade climática e os eventos climáticos extremos estão entre os principais motores do recente aumento da fome global e uma das principais causas de crises graves. Após uma década de declínio constante, a fome está novamente a aumentar - mais de 820 milhões de pessoas sofreram de fome em 2018. Entre os 33 países afetados por crises alimentares em 2018, a variabilidade climática e os extremos climáticos são um fator agravante, juntamente com choques econômicos e conflitos em 26 países e o principal fator em 12 dos 26. Diante disso, a comunidade global enfrenta um enorme desafio para cumprir a meta de Fome Zero da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030.

A situação da segurança alimentar deteriorou-se acentuadamente em 2019 em alguns países do Grande Chifre de África devido a extremos climáticos, deslocações, conflitos e violência. No final de 2019, cerca de 22,2 milhões de pessoas (6,7 milhões na Etiópia, 3,1 milhões no Quénia, 2,1 milhões na Somália, 4,5 milhões no Sul do Sudão, 5,8 milhões no Sudão) estavam em grave insegurança alimentar, apenas ligeiramente mais baixa do que durante a seca severa e prolongada de 2016-17.

Houve uma seca excepcional em Março e grande parte do mês de Abril, seguida de chuvas excepcionalmente fortes e inundações em Outubro-Dezembro. A precipitação invulgarmente pesada no final de 2019 foi também um fator na grave epidemia de gafanhotos do deserto na região do Chifre de África - a pior em mais de 25 anos, e a mais grave em 70 anos para o Quénia. Espera-se que isto se espalhe ainda mais até Junho de 2020, numa grave ameaça à segurança alimentar.

- Migração e Deslocamento:

Mais de 6,7 milhões de novos deslocamentos internos de desastres foram registados entre Janeiro e Junho de 2019, desencadeados por eventos hidrometeorológicos tais como o Ciclone Idai no Sudeste de África, o Ciclone Fani no Sul da Ásia, o Furacão Dorian nas Caraíbas, e as inundações no Irão, Filipinas e Etiópia. Previa-se que este número atingisse cerca de 22 milhões em 2019, contra 17,2 milhões em 2018. De todos os perigos naturais, as inundações e tempestades foram os que mais contribuíram para o deslocamento.

- Eventos de alto impacto:

- Inundações:

Mais de 2,2 mil vidas foram perdidas em vários episódios de inundações na Índia, Nepal, Bangladesh e Mianmar durante a estação das monções, que começou tarde, mas terminou com chuvas totais acima da média de longo prazo.

A precipitação média de 12 meses nos Estados Unidos para o período de Julho de 2018 a Junho de 2019 (962 mm) foi a mais elevada de que há registo. As perdas econômicas totais das inundações nos Estados Unidos em 2019 foram estimadas em 20 bilhões de dólares.

As condições muito úmidas afetaram partes da América do Sul em janeiro. Houve grandes inundações no norte da Argentina, Uruguai e sul do Brasil, com perdas na Argentina e no Uruguai estimadas em US$ 2,5 bilhões.

A República Islâmica do Irã foi gravemente afetada pelas inundações no final de março e início de abril. Grandes inundações afetaram muitas partes da África Oriental até então afetadas pela seca em outubro e início de novembro.

- Seca:

A seca afetou muitas partes do sudeste asiático e da Austrália, que teve seu ano mais seco de que há registo, influenciada pela forte fase positiva do Dipole do Oceano Índico.

A África Austral, América Central e partes da América do Sul receberam quantidades anormalmente baixas de precipitação.

- Ondas de calor:

A Austrália terminou o ano em que começou: com extremo calor. O Verão de 2018-2019 foi o mais quente de que há registo, tal como o de Dezembro. O dia mais quente da Austrália - o recorde (41,9°C) foi no dia 18 de dezembro. Os sete dias mais quentes da Austrália, e nove dos 10 mais quentes, ocorreram em 2019.

Duas grandes ondas de calor ocorreram na Europa no final de junho e no final de julho. Na França, um recorde nacional de 46,0°C (1,9°C acima do recorde anterior) foi estabelecido em 28 de junho em Vérargues. Recordes nacionais também foram estabelecidos na Alemanha (42,6°C), Holanda (40,7°C), Bélgica (41,8°C), Luxemburgo (40,8°C) e Reino Unido (38,7°C), com o calor também se estendendo para os países nórdicos, onde Helsínquia teve a sua temperatura mais alta recorde (33,2°C em 28 de Julho).

- Incêndios:

Foi um ano de incêndios acima da média em várias regiões de alta latitude, incluindo a Sibéria (Federação Russa) e o Alasca (EUA), com atividade de fogo a ocorrer em algumas partes do Ártico onde anteriormente era extremamente rara.

A grave seca na Indonésia e nos países vizinhos levou à época de incêndios mais significativa desde 2015. O número de incêndios registrados na região amazônica do Brasil foi apenas ligeiramente superior à média de 10 anos, mas a atividade total de incêndios na América do Sul foi a maior desde 2010, com a Bolívia e a Venezuela entre os países com anos de incêndios particularmente ativos.

A Austrália experimentou uma temporada de incêndios excepcionalmente prolongada e severa na parte final de 2019, com repetições de grandes surtos que continuaram em janeiro de 2020. Até ao início de 2020, tinham sido registadas 33 mortes e mais de 2000 propriedades tinham sido perdidas, enquanto um total de cerca de 7 milhões de hectares tinham sido queimados na Nova Gales do Sul e em Victoria.

O total diário de emissões de CO2 em incêndios florestais seguiu em geral a média de 2003-2018, de acordo com o conjunto de dados do ECMWF Global Fire Assimilation System do Copernicus Atmospheric Monitoring Service. Os maiores aumentos acima da média dos 17 anos em julho, agosto, setembro e final de dezembro correspondem ao pico de atividade de incêndios no Ártico/Sibéria, Indonésia e Austrália, respectivamente.

- Ciclones tropicais:

A atividade ciclónica tropical a nível global em 2019 foi acima da média. O Hemisfério Norte tinha 72 ciclones tropicais. A temporada 2018-19 do Hemisfério Sul também ficou acima da média, com 27 ciclones.

O Ciclone Tropical Idai atingiu Moçambique a 15 de Março como um dos mais fortes conhecidos na costa leste de África, resultando em muitas baixas e devastação generalizada. O Idai contribuiu para a destruição completa de cerca de 780 000 hectares de cultivos no Malawi, Moçambique e Zimbabué, minando ainda mais uma situação precária de segurança alimentar na região. O ciclone também resultou em pelo menos 50 905 pessoas deslocadas no Zimbabwe, 53 237 no sul do Malawi e 77 019 em Moçambique.

Um dos ciclones tropicais mais intensos do ano foi o Dorian, que atingiu as Bahamas com intensidade de categoria 5. A destruição foi agravada por ser excepcionalmente lenta e ter permanecido quase estacionária durante cerca de 24 horas.

O tufão Hagibis atingiu o oeste de Tóquio em 12 de Outubro, causando graves inundações.



Fonte: Claire Nullis - oficial de imprensa da OMM

Nenhum comentário:

Postar um comentário