sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Qual cadeira custa mais caro, a vazia ou a mal preenchida?


Para o empreendedor: demissões podem diminuir se a empresa olhar além do currículo ao contratar.

Entenda como melhorar sua assertividade com os funcionários no momento de contratar ou manter na empresa.

É comum que ao fazer uma entrevista, a empresa olhe o currículo do profissional, sua formação, experiências e até entre em contato com locais de trabalho anteriores no momento de decidir a contratação. Porém, é preciso levar em conta mais que o QI – Quociente intelectual.

O QE – Quociente Emocional, quando levado em conta, pode avaliar os índices de sentimentos primários no ser humano: raiva, medo, tristeza, felicidade e amor.
“Os profissionais de RH das empresas não avaliam esse tipo de fator. Demissões seriam evitadas já no momento da contratação, assim como gastos da empresa com o recém-admitido”, conta Leandro Cunha, Especialista em Inteligência Emocional e Terapeuta comportamental.

Mas por que realizar o teste de QE antes da contratação? Aquele profissional com alto índice de raiva ou tristeza, além de não ser produtivo em sua própria vida, não será para a empresa.

“É importante avaliar também os funcionários mais antigos, que apesar de terem sido lucrativos para a empresa, mudaram de comportamento. É possível tentar resolver o problema, ou então, após entender o caso, desligá-lo do cargo. Afinal, uma cadeira mal preenchida custa mais caro que uma vazia”, relata o especialista.

As cadeiras mal preenchidas são comprovadamente mais caras e prejudiciais à empresa, e é preciso reverter a situação para alcançar o potencial e lucro esperado.

“Hoje, muitos profissionais são contratados pelo QI e demitidos pelo QE, pois as empresas não sabem como trabalhar a Inteligência Emocional desde o início, quando deveriam andar de mãos dadas”, finaliza.

                                 
                        

Fonte: Leandro Cunha - Treinador em Inteligência emocional e Espiritual e presidente da Fundação Brasileira de inteligência emocional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário