quinta-feira, 28 de novembro de 2019

O que já é possível aprender com a tragédia que manchou o litoral brasileiro de óleo?


O óleo que tem manchado as praias do Nordeste e provocado danos imensuráveis à biodiversidade nos últimos meses continua afetando o litoral brasileiro, chegou também ao Espírito Santo. De acordo com o Ibama, mais de 490 localidades foram atingidas. Desde que a Paraíba notificou as autoridades sobre a presença do óleo no município de Conde, no dia 30 de agosto, o problema tem se agravado, tornando-se o maior desastre ambiental do litoral brasileiro, afetando dez estados. Enquanto buscam-se soluções, o que já é possível aprender com essa tragédia?

Para o membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, professor titular do Instituto Oceanográfico da USP e responsável pela Cátedra UNESCO para Sustentabilidade dos Oceanos, Alexander Turra, com o desastre, identificamos a necessidade de estarmos institucionalmente prontos para responder rapidamente a situações como esta. 

“A falta de capacidade técnica ou de assessoramento apropriado logo após a identificação do derramamento foi um grande problema, inclusive para a implementação do Plano Nacional de Contingência [PNC]. Essa demora, agravou os impactos e pode retardar a recuperação dos ecossistemas afetados”, afirma.

A transparência na comunicação também é determinante em casos como esse. “É fundamental que exista um centro de crise que estabeleça canais de comunicação interna, informe a sociedade sobre o que está acontecendo e envolva a comunidade científica na busca por soluções. Dessa forma, é possível trabalhar para uma resposta rápida ao problema. No caso do derramamento de óleo, ficamos reféns de informações desconexas e fragmentadas sobre o fato”, analisa o especialista.

Nesse sentido, a tragédia no litoral brasileiro demonstra também que é fundamental a participação de profissionais de diferentes áreas atuando em busca de soluções criativas e inovadoras para o problema. 

“Precisamos ter foco no que importa. Diante de fenômenos como esse, discussões ideológicas não são apropriadas. Os esforços devem ser focados em como conter esse tipo de acidente”. explica Turra.

- Proteção enfraquecida:

Enquanto os impactos pelo derramamento de óleo ainda estão sendo mensurados, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente, publicou uma atualização no Plano de Ação Nacional para a Conservação das Espécies Ameaçadas e de Importância Socioeconômica do Ecossistema Manguezal (PAN Manguezal), diminuindo a proteção ao ecossistema.

Com a alteração, foi solicitada a revogação do objetivo 9 do PAN, que prevê iniciativas para a erradicação da carcinicultura – criação de camarão em cativeiro nos manguezais. 

“Essa pressão adicional sobre os manguezais vai dificultar ainda mais a recuperação da vida marinha impactada pelo incidente com o óleo”, finaliza o membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza.



Fonte: Rede de Especialistas de Conservação da Natureza 

Nenhum comentário:

Postar um comentário