terça-feira, 13 de agosto de 2019

Roteiro pela fronteira do Alentejo com a Espanha


A fronteira de Portugal com a Espanha é marcada por grandes histórias de disputas territoriais e batalhas, e a região do Alentejo não é diferente. Longe das grandes cidades, quem passeia pelo extremo leste alentejano se depara com vilas medievais, castelos incríveis e muito mais.


Há tanto para ver que é possível planejar uma viagem completa por lá, começando por Castelo de Vide, um charmoso vilarejo a duas horas e meia de Lisboa. Cercado por mais de dois quilômetros de muralhas, tem casinhas brancas, ruazinhas estreitas, portais góticos e construções antigas, tudo encimado por um belo castelo, de onde é possível conferir uma vista incrível dos arredores.

A apenas 13 quilômetros dali está Marvão, outra aldeia histórica da região. Embora também tenha muralhas, castelo e casinhas brancas, é bastante diferente de Castelo de Vide e vale a pena visitar as duas. Sua história é milenar, seu castelo é grandioso e seu encanto é inexplicável.

                            

Todos esses destinos próximos à fronteira foram importantes na época das batalhas medievais. Não é à toa que eles estão posicionados sobre colinas e têm castelos e muralhas: eles foram construídos estrategicamente para observar se algum exército inimigo se aproximasse, e precisavam estar preparados para os ataques.

Saindo de Marvão, a 80 quilômetros está Elvas, que é um Patrimônio Mundial da UNESCO. Esta cidade fortificada tem uma estrutura defensiva em forma de estrela com um perímetro de cerca de dez quilômetros, sendo considerada uma das maiores fortificações abaluartadas do mundo.
                        

As construções militares do destino são inúmeras: há o Forte de Santa Luzia e o da Graça, além dos fortins de São Mamede, São Pedro, São Domingos, São Francisco e da Piedade. No entanto, seu patrimônio também inclui belas igrejas e mosteiros, e a vista de seu castelo é deslumbrante.

Apenas 31 quilômetros separam Elvas do próximo destino no roteiro, Vila Viçosa, que é conhecida como a “princesa do Alentejo”. Próxima a grandes pedreiras de mármore, esta é uma cidade bonita, com várias casas que mais se parecem palácios, decoradas com o mármore da região.


O ponto turístico mais importante é o Paço Ducal de Vila Viçosa, que é, atualmente, um museu onde estão expostos mobiliário, utensílios domésticos, roupas, obras de arte, porcelanas, conjuntos de armas e até carruagens da época em que foi uma das residências da família real portuguesa. Sua característica mais impressionante é a fachada de 110 metros totalmente revestida em mármore.


Depois, é a vez de Monsaraz, que fascina os visitantes com suas ruas de pedra, muralhas e casinhas típicas. Situada ao lado do grande lago Alqueva, é talvez um dos melhores lugares em todo o Alentejo para curtir o pôr do sol. Isso porque, do topo de seu castelo, é possível ver todo o lago mudando de cor conforme o anoitecer se aproxima.


A última parada é Mértola, em pleno Vale do Guadiana. Em termos de história, este destino ganha de qualquer um da lista, já que foi uma cidade romana e, posteriormente, a capital de um reino árabe. O resultado é uma cidade peculiar, que guarda tesouros portugueses, árabes e romanos, que incluem até mesmo uma igreja católica instalada numa construção que já foi uma mesquita, a Igreja de Nossa Senhora da Anunciação. Os vestígios arqueológicos são expostos por toda a cidade, em locais como a Câmara Municipal e o Museu Islâmico.


- Sobre o Alentejo: 

Considerado o destino mais genuíno de Portugal, o Alentejo é a maior região do país. Privilegiando um lifestyle tranquilo em que a experiência de viver bem dá o tom, conta com belas praias intocadas e cidades repletas de atrações ímpares, como castelos e monumentos históricos. 

Detentor de quatro títulos da UNESCO e diversos outros prêmios e reconhecimentos internacionais no setor do turismo, o Alentejo oferece opções para todos os tipos de viajantes, sejam famílias, casais em lua de mel ou aventureiros. A promoção turística internacional do Alentejo é co-financiada pelo Alentejo 2020, Portugal 2020 e pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER). 


Fonte: Gabriella Mosena

Nenhum comentário:

Postar um comentário