quinta-feira, 25 de julho de 2019

O que muda para as empresas brasileiras com o acordo do Mercosul e União Europeia?


Resultado de imagem para Mercosul e a União Europeia


Muito tem se falado sobre o acordo de livre mercado entre o Mercosul e a União Europeia e seus impactos na economia brasileira. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o acordo pode adicionar quase US $ 10 bilhões em exportações do Brasil para a UE. Negociado por mais de 20 anos, representa o maior pacto comercial já firmado por ambas as partes, com a criação de um mercado de 780 milhões de consumidores.

O Brasil exportou mais de US $ 42 bilhões para a UE em 2018, aproximadamente 18% do total exportado pelo país. Isso significa que, ao reduzir as alíquotas e as legislações, o acordo oferece oportunidades de negócios ainda maiores para as empresas nacionais. No entanto, o pacto também ressalta a necessidade de mudança nas políticas das empresas nacionais.

Segundo Rodrigo Zambon, diretor sub-regional da TMF Group no Brasil, o acordo ainda levará algum tempo para entrar em vigor, dando às empresas o tempo necessário para fazer ajustes. "O acordo ainda precisa passar por 28 países, então o tempo para preparar seu negócio sem sair prejudicado é agora", acrescentou. Confira as 5 principais características que devem ser adotadas pelas empresas brasileiras para que elas possam participar ativamente do acordo.


- Todos os alimentos importados devem cumprir os padrões da UE : 

As regras se aplicam a todos os produtos vendidos na UE, sejam produzidos internamente ou importados, então as empresas brasileiras precisam se assegurar que estão em conformidade com todas as regras. Por exemplo: garantir informações adequadas e transparentes sobre a origem, conteúdo e rotulagem.

- Compromissos relativos à inspeção do trabalho e à saúde e segurança no trabalho : 

As empresas que pretendem fazer acordos comerciais nos países da UE devem assegurar que os direitos trabalhistas fundamentais, definidos pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), são cumpridos e respeitados.

- Acordos comerciais não devem acontecer às custas do meio ambiente : 

Segundo o acordo, as empresas devem promover o desenvolvimento sustentável e concordar em não baixar os padrões ambientais, a fim de promover o comércio e atrair investimentos. 

O acordo também incorpora o chamado "princípio da precaução". Se houver alguma suspeita de desmatamento ou uso de agrotóxicos não permitidos na UE, o bloco econômico pode vetar a importação do produto brasileiro, mesmo quando a análise científica não é conclusiva.

- Sólidas disposições relativas aos direitos de propriedade intelectual : 

O Brasil comprometeu-se a atualizar sua legislação relacionada a propriedade intelectual com base em padrões internacionais de legislação. Exemplos dessa estratégia são a seção de direitos autorais e a seção de marcas registradas, à qual as empresas terão que obedecer.

- Transparência e o uso de padrões internacionais : 

Diferentes regulamentações técnicas e regras/padrões para produtos de outros mercados podem ser um grande obstáculo para os exportadores, porque eles impõem custos extras para adaptação. O acordo promove a transparência e o uso de padrões internacionais para facilitar o acesso ao mercado, ao mesmo tempo em que protege os níveis de proteção que cada parte considera adequados.

Para Zambon, começar a entender e implementar planos de ação criará uma vantagem competitiva quando o acordo entrar em vigor. “As empresas que começarem a atualizar suas políticas agora terão mais tempo para se adaptar e provavelmente menos custos para implementar, do que aquelas que deixam para o último minuto”, disse ele.



Fonte: Rodrigo Zambon -diretor sub-regional da TMF Group no Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário