Mais uma cidade será destruída por uma barragem de mineração?


Parece que houve uma pequena mudança na estratégia de comunicação da VALE sobre os problemas das suas barragens. Desta vez, a empresa avisou e admitiu que um talude da cava da Mina do Gongo Soco irá se romper, pois ele está se movimentando cerca de 7 cm por dia, que é de fato um valor extremamente elevado.

Daí a empresa avisou também que esse evento poderá ocasionar a ruptura da Barragem de Rejeitos dessa mina, situada a cerca de 1 km do talude da cava. A VALE cita uma probabilidade de 15% para essa barragem sofrer colapso, mas não explica de onde vieram esses cálculos.


Se a barragem se romper, irá destruir parte da cidade de Barão de Cocais, que está situada abaixo e no caminho que a lama proveniente da ruptura irá passar. Será mais uma cidade afetada pelas operações de mineração em Minas Gerais!

Explicando o que pode ocorrer, nesse caso a ruptura do talude da cava da mina irá induzir vibrações na região, como acontece em um terremoto. Essas vibrações se propagam pelo terreno e podem causar uma ruptura da barragem por liquefação dinâmica.

O material da barragem (solo + rejeito) se transforma em um líquido (lama) que corre pelo vale do rio, destruindo tudo que estiver no caminho (casas, sítios, prédios, etc).

Esse mecanismo de ruptura da barragem é semelhante ao que aconteceu nas Barragens de Brumadinho e Mariana. A única diferença é que nessas duas houve uma liquefação estática, por excesso de pressão interna da água no corpo da barragem. Agora, caso a ruptura venha a ocorrer, ela seria induzida por um pequeno sismo (vibrações).

Esperamos não aconteça! Mas este fato mostra mais uma vez a situação preocupante da segurança das barragens de mineração no Brasil!



Fonte: Paulo Afonso Luz - engenheiro civil, com mestrado em engenharia de solos. É professor de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Comentários