sexta-feira, 3 de maio de 2019

Licença maternidade: como as empresas devem se preparar


Com as mulheres conquistando cada vez mais espaço no mercado de trabalho, as empresas precisam se preparar para o grande momento para elas: a maternidade. Hoje, criar condições para que a colaboradora, futura mamãe, possa sair de licença com tranquilidade e sem perder o ritmo de produção se tornou vital para manter a competitividade e reter talentos.

Mas como a empresa pode ajudar a tornar o período de gestação e licença maternidade das colaboradoras mais produtivo e humano? As diretoras da Gi Group Brasil e mães Ana Pisa, da área de operações, e Luciana Port, do departamento financeiro, formularam um roteiro de dicas, com base em suas experiências:

- A maternidade é um momento único, especial e delicado para as mulheres, que estão mais sensíveis a pressão. Portanto, durante a gestação, atente para não expor a colaboradora grávida a situações de estresse desnecessárias.

- Estabeleça um calendário de transição com profissional que a substituirá durante a licença maternidade com uma certa folga, para caso haja potenciais imprevistos e possa contorná-los. O mesmo vale para o cronograma de transição e de regresso da licença.

- Defina o colaborador interno ou contrate o profissional que vai substituir a colaboradora durante a sua ausência um mês antes da licença. Os 30 dias são necessários para preparar a pessoa que vai assumir o cargo temporariamente.

- Coloque a funcionária grávida para participar do processo de seleção do profissional que irá substituí-la durante a licença maternidade, bem como do treinamento.

- Estimule a própria grávida a compartilhar com os superiores e colegas mais experientes da área assuntos que conduz exclusivamente e o andamento do processo.

- Esclareça a pessoa que fará a substituição da profissional, durante a licença maternidade, que a posição é temporária e limitada ao período da licença.

- Acompanhe a transição de perto para garantir que não haja qualquer tipo de insegurança por parte da futura mamãe. Também verifique se o treinamento da substituta temporária é adequado.

- No regresso ao trabalho, as novas mamães têm necessidades específicas como tirar leite, sair para amamentar ou levar o filho doente ao médico. Por isso, crie uma rotina de trabalho mais flexível para elas, além disso, administre o volume de trabalho distribuindo as tarefas com a equipe para equilibrar todas as demandas durante esse período.

- Por fim, é importante que as empresas não encarem a gravidez como problema, deixando bem claro à colaboradora gestante a equipe a apoia e aguarda o seu retorno. Esse gesto torna o ambiente de trabalho mais favorável e eficiente para todos os envolvidos, inclusive para o bebê.


Fonte: Executivas da Gi Group Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário