segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Quer empreender? Talvez você não precise abrir seu próprio negócio


 
Quando se fala em empreendedorismo, geralmente associamos o termo a montar um negócio próprio, abrir uma empresa. No entanto, é possível empreender, ainda que o seu objetivo seja continuar como funcionário. Duvida? Então, vou te provar.

Que vivemos em um período de crise no país, não é novidade para ninguém! E que na crise surge a necessidade de mudança, muito menos! A redução de custos nas empresas e, consequente, aumento no desemprego, tem exigido que todos saiam da “zona de conforto”.

E nessa hora o velho ditado popular vem à tona: “em tempos de crise, uns choram e outros vendem lenços”. Pronto! Essa pode ser a grande sacada, o seu “lenço”. Mesmo trabalhando como empregado é possível aplicar esta ideia, manter o seu emprego e ainda se destacar na empresa. É o que eu chamo de transformar-se em um funcionário empreendedor.

Mas ser um funcionário empreendedor dá trabalho. Tanto quanto ser um empreendedor do negócio próprio. 

- Por isso, é imprescindível que você adote alguns comportamentos:

- Capacite-se constantemente – não fique na superficialidade e não cultive o pensamento de que você já sabe o suficiente para a execução da sua atividade. Estude e busque novos conhecimentos diariamente;

- Conheça a empresa – não fique limitado à sua atividade. Saiba quais são os propósitos, missão, concorrentes, metas, características dos produtos ou serviços e seus diferenciais, etc.;

- Tenha iniciativa, responsabilidade e comprometimento – esteja disposto a realizar trabalhos que estão além da sua função. Identifique oportunidades de mostrar todas as suas habilidades e agarre-as. Encare os desafios e apresente resultados concretos. Em outras palavras, pense como se você fosse o dono da empresa;

- Saiba negociar – gere valor ao seu trabalho. Não é hora de pensar somente em aumento salarial. Pode parecer absurdo, mas é a realidade. Além disso, saiba negociar, principalmente em situações de conflito, com o seu o chefe, colegas de trabalho, fornecedores, clientes, etc. Sempre demonstre empatia, coloque-se no lugar do outro;

- Cuide da sua marca pessoal e da sua empresa – esteja sim, preocupado com o que andam falando a seu respeito. Tenha coerência entre o seu discurso e as suas atitudes. Como você quer ser reconhecido? E aqui, é importante que você tome cuidado com as redes sociais. Elas dizem muito a seu respeito. Não saia falando mal da empresa, dos produtos ou serviços. Se tiver algo que te incomoda, ofereça soluções;

Seja persistente – os obstáculos existem e estarão presentes no seu dia a dia. Não desanime no primeiro tropeço. Aprenda com os fracassos e continue focado nos seus objetivos, que devem ser muito bem definidos.

Os desafios não são pequenos, seja para o empregado ou para o empregador. Ambos precisam livrar-se de pensamentos e comportamentos retrógrados e acompanhar essa nova tendência. O mercado está mudando e o comportamento empreendedor veio para ficar. Por isso, os contratantes que ainda não perceberam essa nova realidade, com certeza começarão a perder funcionários com estas características para aqueles que sabem valorizá-los.

E então, está convencido? Agora é hora de colocar a mão na massa e chegar à empresa como no primeiro dia, com o sorriso e motivação de quem tem um mundo pela frente. E você tem mesmo!


Fonte: Rodrigo Mancini - economista, mestre e doutor em geografia econômica, empreendedor e empresário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário