quarta-feira, 7 de novembro de 2018

As cinco práticas de um líder de destaque


Sabemos que liderança é influência, nada mais, nada menos. Mas você já parou para pensar como líderes se tornam tão inspiradores a ponto de influenciar uma multidão a seguirem suas ideias? Quais seriam as práticas que os fazem se destacar no meio da população e que os tornam tão valiosos para as organizações?

São muitas as práticas e características do líder que o leva ao destaque. Mas cinco delas, sem dúvida, se destacam. A boa notícia é que qualquer pessoa que, de fato, queira se tornar um líder, pode aprender essas práticas e consequentemente aumentar substancialmente seu poder de influência. Vamos a elas?

1 – Líderes desafiam o processo:

Líderes possuem um permanente descontentamento com o status quo. Não estou dizendo que líderes sejam pessoas “reclamonas” e que estão sempre insatisfeitas. Embora sejam pessoas positivas e otimistas, líderes simplesmente não se aquietam e aceitam as coisas como estão. Eles estão sempre questionando como melhorar. Isso se aplica a si mesmo, as suas equipes e a cada processo que estejam inseridos. Há no coração do líder um constante questionamento de como tornar um processo melhor. É possível fazer mais rápido? Com menos custo? Com mais qualidade? Essa é uma insatisfação saudável que todo líder de sucesso possui como um alarme dentro dele, soando todos os dias e dizendo: como posso melhorar isso?

2 – Líderes inspiram uma visão compartilhada:

Um erro comum em aspirantes a líderes é o fato de acreditarem que podem simplesmente chegar, declarar sua visão e achar que as pessoas os seguirão. A verdade é que as pessoas não respondem muito bem a esse tipo de chamado. Gosto da reflexão que Simon Sinek fez sobre Martin Luther King, dizendo que as 250 mil pessoas que acompanharam seu famoso discurso “Eu tenho um sonho...” não estavam lá por causa de King, mas estavam lá por causa delas mesmas. O que acontecia naquele momento é que a visão das pessoas era a mesma visão de King. Líderes convocam pessoas para juntos construírem uma visão que mantenha as pessoas comprometidas com o alvo. Quando uma pessoa participa na construção da visão, ela se compromete de corpo e alma.

3 – Líderes capacitam os outros a agir:

O objetivo do líder não é formar seguidores, mas novos líderes. Para capacitar de forma eficaz, o líder deve investir em alguns pontos-chave.

O primeiro deles é o relacionamento. O relacionamento tem o poder de abrir as pessoas para a capacitação. Permite que elas baixem a guarda para receberem o conteúdo que o líder deseja transmitir.

O segundo é o respeito. Nesse ponto, não estou falando sobre respeitar as pessoas, o que é um pré-requisito óbvio. Mas falo de conquistar o respeito da equipe se baseando em sua competência. Ser referência no que faz leva as pessoas a quererem ser capacitadas por você.

Por fim, a atitude também se revela como essencial nesse processo. Devido a insegurança, algumas pessoas sabotam o processo de capacitação. O medo de que o aprendiz tome seu lugar o impede de transmitir o conhecimento necessário. Um paradoxo da liderança ilumina essa questão. Um líder só se torna indispensável no dia em que ele se torna dispensável. Portanto, não há espaço para insegurança na jornada do líder de sucesso.

4 – Líderes servem de modelo:

Não há outra forma de liderança senão pelo exemplo. Talvez você pense que, embora se esforce muito, não vê sua equipe fazendo o mesmo. O que acontece é que ser o modelo ou o exemplo funciona, na verdade, como um pré-requisito para uma liderança eficaz. Somente dar o exemplo não garante sua liderança, mas sem ser um exemplo, não há liderança. Na época da invasão da Normandia, o exército americano contava com um comandante de uma companhia cujo nome era Sobel. O comandante Sobel era extremamente rígido com seus soldados, mas mal conseguia passar nos testes físicos exigidos pela companhia dos paraquedistas. Os soldados da época discutiam quem “acidentalmente” acertaria Sobel primeiro quando a primeira batalha viesse. Para sorte de Sobel, ele foi transferido antes que o primeiro confronto virasse realidade. Você não pode exigir mais de sua equipe do que exige de você mesmo.

5 – Líderes encorajam sonhos:

A quinta prática é um verdadeiro desafio. Estimular o sonho das pessoas pode, em algum momento, levá-las para outro lugar. Mas toda vez que o líder consegue alinhar os sonhos pessoais de sua equipe com seu sonho de líder, o resultado produzido é extraordinário. Pessoas que trabalham motivadas por seu sonho estão sempre dispostas a melhorar. Não existe restrições de horário e a famosa frase “isso não é minha função” simplesmente não vem à tona.

Comece hoje a praticar esses princípios e você verá um crescimento significativo no engajamento e comprometimento de sua equipe. Ao fazer isso, seu nível de influência aumentará, lhe permitindo realizar sonhos cada vez mais ousados.


Fonte: Ricardo Resstel é Coach, palestrante e membro licenciado do John Maxwell Team – a mais relevante equipe de formação de líderes do mundo. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário