quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Ministério lança estratégia para espécies exóticas invasoras


O Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou, na quarta-feira (1º/08), em Florianópolis (SC), a Estratégia Nacional para Espécies Exóticas Invasoras. A agenda faz parte da programação do IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), que ocorre até esta quinta-feira (02/08), promovido pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. 


Na programação, trabalhos técnicos, simpósios, conferências, rodas de conversa e estandes. E ainda eventos nas áreas de gastronomia, música, teatro e audiovisual.

Com o tema Futuros Possíveis: Economia e Natureza, o congresso reúne cerca de 1,2 mil pessoas com o objetivo de reforçar e ampliar a discussão sobre como a conservação é a base para uma economia sustentável a longo prazo. Participam especialistas globalmente reconhecidos, representantes dos órgãos ambientais estaduais responsáveis pela gestão das unidades de conservação, analistas e dirigentes do MMA e vinculadas.

O lançamento da Estratégia Nacional conta com a presença do secretário de Biodiversidade do ministério, José Pedro de Oliveira Costa, e será realizada no Espaço SNUC, organizado pelo MMA, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Cooperação Técnica Alemã (GIZ, na sigla em inglês), para homenagear os 18 do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. A agenda do secretário também inclui palestra sobre a ampliação de áreas protegidas e conectividade de paisagens e reunião sobre a Reserva da Biosfera.

Coordenado pelo MMA, o SNUC é o conjunto de unidades de conservação (UC) federais, estaduais e municipais, composto por 12 categorias de UC, cujos objetivos específicos se diferenciam quanto à forma de proteção e usos permitidos.


- Espécies exóticas invasoras: 

Espécies exóticas invasoras estão entre as principais causas diretas de perda de biodiversidade e extinção de espécies, juntamente com mudança do clima e perda de habitat, sobreexploração e poluição. Elas têm sido transportadas, de forma intencional e não intencional, entre regiões, países e ecossistemas, de acordo com o crescimento e intensificação do comércio, de viagens e do turismo.

Essas espécies estão presentes em praticamente todos os ecossistemas da Terra, sejam marinhos, de água doce e terrestres, ameaçando a sobrevivência de espécies e o equilíbrio de sistemas naturais.

- Estratégia nacional :

O objetivo da Estratégia Nacional para Espécies Exóticas Invasoras é orientar a implementação de medidas para evitar a introdução e a dispersão e reduzir significativamente o impacto de espécies exóticas invasoras sobre a biodiversidade brasileira e serviços ecossistêmicos, controlar ou erradicar espécies exóticas invasoras.

A estratégia prevê a gestão e o manejo de espécies exóticas invasoras no Brasil para um período de 12 anos, até 2030 e inclui ações prioritárias definidas para cada componente no Plano de Implementação que a integra.

- Componentes:

Os componentes têm foco nas espécies exóticas invasoras que ameaçam ou impactam a diversidade biológica, incluindo espécies de risco de introdução ao país a partir das fronteiras nacionais, pelo oceano ou pela chegada em vetores e vias de dispersão importantes como o comércio, o transporte e o turismo.

Entre os instrumentos para a implementação da Estratégia Nacional estão previstos Planos de Prevenção, Erradicação, Controle e Monitoramento de Espécies Exóticas Invasoras; Sistemas de Detecção Precoce e Resposta Rápida; Análise de Risco e Base de Dados.

- Coordenação e implementação:

A Estratégia Nacional será coordenada pelo Ministério do Meio Ambiente, com a cooperação de órgãos ambientais federais, em especial o IBAMA e o ICMBio, e estaduais. A execução e implementação envolverá instituições de ensino e/ou pesquisa, órgãos governamentais e organizações da sociedade civil.


- Serviço:

IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC)

Onde: Centrosul – Av. Gov. Gustavo Richard, 850 - Centro, Florianópolis (SC)

Quando: Até 02 de agosto



Fonte: Ministério do Meio Ambiente (Ascom/MMA)

Nenhum comentário:

Postar um comentário