segunda-feira, 25 de junho de 2018

Relatório da IUCN mostra o caminho para salvar o peixe-serra


Em recente conferência da Sharks International, o grupo de especialistas em tubarões (SSG - Shark Specialist Group) da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN - International Union for Conservation of Nature) relatou os progressos e as novas prioridades relacionadas à sua Estratégia Global para salvar os peixes-serra, também conhecidos como espadartes na região norte do pais, os maiores e mais ameaçados de sua espécie. O relatório apresentado pelos especialistas destaca a situação dos peixes-serra, seriamente ameaçados em águas brasileiras, e sugere medidas concretas para prevenir sua extinção e restaurar sua população.

“Os peixes-serra, há milênios reverenciados pelas comunidades costeiras ao redor do mundo, enfrentam agora um risco de extinção maior do que qualquer outra família de peixes marinhos”, afirma o Dr. Nick Dulvy, membro do SSG da IUCN e da equipe de pesquisa da Universidade Simon Fraser da Columbia Britânica. 




“Nossa atualização da Estratégia Global dos Peixes-Serra revela importante progresso na pesquisa e na conservação do animal, mas simultaneamente, dispara um forte alerta sobre o risco imediato da perda dessa espécie em muitos lugares, incluindo o Brasil”.

O peixe-serra pertence à família das raias e se caracteriza por seu rostro alongado, com dentes simétricos dispostos nos bordos externos. A espécie já foi encontrada nas águas costeiras e rios de mais de 78 países tropicais e subtropicais. Atualmente, todas as cinco subespécies de peixes-serra estão na Lista Vermelha da IUCN, entre as Ameaçadas ou Criticamente Ameaçadas. 

A mortalidade decorrente da pesca dirigida ou acidental é a causa principal, já que seus dentes facilmente enroscam-se nas redes de pesca. A destruição de seu habitat natural é também uma causa relevante mas, além disso, a serra e os dentes dos peixes-serra atraem a curiosidade das pessoas em geral, são utilizados pela medicina tradicional em muitos países – entre eles, o Brasil – e até em rinhas de galo no Caribe e em vários países da América do Sul, enquanto suas barbatanas alcançam enorme procura para o preparo de sopa de barbatanas de tubarão na Ásia.



“O Brasil possui a maior população de peixes-serra de toda a América do Sul, hoje seriamente ameaçada pelo controle insuficiente das atividades de pesca e comercialização, incentivadas pela crescente demanda do mercado”, destaca a Dra. Patricia Charvet, que responde pela parte leste da América do Sul no SSG. 


“Com a Conferência Internacional sobre Tubarões acontecendo no Brasil, temos uma oportunidade crucial para ressaltar a preocupação e a necessidade de ação imediata para salvar o peixe-serra da foz Amazônica do perigo de extinção”.

Os peixes-serra são capturados acidentalmente no estuário amazônico por redes de pesca que objetivam espécies diversas, entre elas bagres para exportação à Europa e EUA. Com frequência, a carne do peixe-serra é vendida como de tubarão, enquanto seus dentes são contrabandeados para países vizinhos com pouca 
fiscalização. 


O SSG está chamando a atenção de autoridades governamentais, cientistas e conservacionistas para que trabalhem juntos, imediatamente, nos seguintes pontos:

- Reforço de todas as proteções brasileiras ao peixe-serra

- Esforço para a redução das capturas acidentais, potencialmente impulsionada pela educação dos agentes dessas capturas

- Testes genéticos para a detecção de carne de peixe-serra erroneamente etiquetada

- Projetos para desestimular o uso, em países vizinhos, dos dentes de peixe-serra nas rinhas de galo

- Divulgação para impulsionar a preocupação brasileira com a população de peixes-serra

“Apesar do recente progresso na area da conservação, o tempo está se esgotando para muitas populações de peixes-serra em todo o mundo”, alerta Sonja Fordham, vice-presidente do SSG na IUCN e presidente da Shark Advocates International, projeto da Ocean Foundation. 

“Estamos esperançosos de que juntos, possamos aproveitar esta oportunidade para virar a maré do peixe-serra brasileiro e, ao fazê-lo, dar um exemplo para que outros países valorizem e protejam essas magníficas espécies, antes que seja tarde demais”.

O relatório SSG da IUCN sobre a estratégia em relação aos peixes-serra está disponível em http://www.iucnssg.org/sawfish-progress--priorities.html, com toda a análise e as prioridades estratégicas definidas. 

O documento foi desenvolvido a partir de um workshop de especialistas realizado em 2012: http://www.iucnssg.org/conservation-strategies-sawfish.html


Fonte: André Felipe

Nenhum comentário:

Postar um comentário