terça-feira, 12 de junho de 2018

Existe pessoa certa ou errada quando o assunto é amor?



O amor está no ar. Mas, como saber se o casamento vai dar certo ou ainda como saber se você está se casando (ou se casou) com a pessoa certa? Isso existe?

Para a psicóloga Denise Miranda de Figueiredo, terapeuta e cofundadora do Instituto do Casal, não existe pessoa certa ou pessoa errada quando o assunto é amor e casamento. “O que existe é a vontade de fazer acontecer, a disponibilidade em conhecer o outro, a disponibilidade para mudar, a intenção que dê certo”.

“Infelizmente, ainda somos educados em cima da ideia do amor romântico, da alma gêmea, do par perfeito. Mas isso só existe nos filmes, novelas e livros, não na vida real. Pensar desta forma dificulta que vejamos o outro como ele é, pois iremos nos relacionar de forma idealizada e quando ocorrer um problema, por menor que seja, acabaremos nos decepcionando e partiremos para uma nova relação. Isso se torna um ciclo vicioso de relações malsucedidas, em busca de um conto de fadas ou de um romance de novela”, diz Denise.

- Expectativas e realidade:

A psicóloga Marina Simas de Lima, comenta que idealizar demais o amor impede que as pessoas se conheçam de verdade.

“Nos primeiros encontros ou meses de namoro queremos dar o nosso melhor, evitamos mostrar nosso lado B. Porém, uma hora ou outra isso vai acontecer e se criarmos uma ilusão, uma imagem idealizada do outro ou de nós mesmos, haverá um grande desencontro entre este casal, quando a realidade bater à porta”.
 
“Na verdade, o relacionamento que dá certo é aquele em que há tolerância para as imperfeições um do outro. Todos temos nossas forças e nossas fraquezas, assim como nossas crenças e valores e para dar certo é preciso que o casal tolere esses aspectos. Outra habilidade importante é a capacidade de lidar com as frustrações que são inevitáveis em qualquer relacionamento”, comenta Denise.

“É preciso lembrar que diferentemente do namoro, o casamento é uma escolha que nos faz conviver diariamente com as imperfeições do outro, com os aspectos que podem nos desagradar no outro. Assim, é um exercício diário de amor, tolerância, empatia e compreensão. Se a pessoa se casa sem entender essa dinâmica, é provável que com o tempo essa relação não se sustente, surgindo o desencanto e a desilusão”, refletem as terapeutas.  

- Dicas:

Não existe uma receita para um casamento dar certo. Mas, com a ajuda de Marina e Denise preparamos algumas dicas que podem orientar quem está pensando em se casar ou já casou. 

- Confira:


1- As pessoas não mudam: 

Achar que o outro vai mudar só porque casou é um engano. Não é preciso se casar para ser feliz com a pessoa, ou seja, se a pessoa não está feliz com o jeito de ser do outro antes do casamento, com hábitos, costumes, etc., melhor rever a decisão de se casar. Antes de dizer sim, portanto, tenha certeza de que poderá conviver para o resto da vida com esta pessoa do jeito que ela é.

2- O problema pode ser você e não o outro: 

Se você já se casou várias vezes, se você já teve vários namoros e nunca deu certo, pode ser um sinal de que o problema está em você ou em como você enxerga o amor. Por isso, invista no seu autoconhecimento.

3- Case-se pelo motivo certo: 

Há pessoas que se casam para sair da casa dos pais, para poder ter uma vida sexual ativa, para sair do status de solteiro, menos por amor ou por querer construir uma família ou uma vida conjugal. O motivo para se casar precisa ser profundo, baseado no amor, na amizade e no desejo de investir no relacionamento, mesmo sabendo que não é fácil, mas pode ser gratificante. Casamento também não cura infelicidade!

4- Reflita: 

Antes de dizer sim, pense em algumas questões. Você quer ou pensa em ter filhos com essa pessoa? Você gostaria de ser como ela? Você a admira? Você a respeita? Você é capaz de imaginar vocês dois envelhecendo juntos? Realizando sonhos juntos? Confia nesta pessoa? Acredito que ele (ela) aceita você do jeito que você é?

5- Case-se com seu (sua) melhor amigo (a): 

A amizade entre o casal é uma das bases mais importantes de um relacionamento duradouro. Você precisa ter liberdade para abrir seu coração e falar sobre o que lhe incomoda. Você precisa saber que pode contar com essa pessoa nas dificuldades que irão surgir ao longo da vida conjugal.
 
“Em um relacionamento afetivo é preciso, antes de tudo, vontade e disponibilidade para fazer dar certo. Lembrando que um relacionamento bem-sucedido também depende de viver a vida como ela é, de ver o casamento como ele é, ou seja, um exercício diário de amor, tolerância, paciência e sabedoria”, concluem Marina e Denise.

 

Fonte: Leda Sangiorgio


Nenhum comentário:

Postar um comentário