segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Filosofia de serviços e cultura organizacional


Em uma das minhas aulas, um aluno me perguntou se filosofia de serviços era a mesma coisa que cultura organizacional. Achei muito interessante a pergunta e vou aproveitá-la aqui para fazer uma breve reflexão sobre o assunto.

Então vamos falar primeiro sobre filosofia de serviços. Tenho afirmado que uma das grandes lacunas observadas nas empresas é a ausência de uma filosofia sobre a sua forma de atuação. Elas, de um modo geral, se contentam e se limitam em estabelecer processos (e suas revisões) que se derivam em procedimentos, imaginando que por essa forma cartesiana de conduzir as tarefas conduzirão a empresa para o patamar da excelência em serviços.

A profusão de insucessos por esse método não tem sido suficiente para evidenciar que por esse caminho não se alcança o porto seguro da excelência. Daí a minha ênfase de se buscar uma base filosófica que, ao meu ver, é imprescindível para aqueles que almejam os seus serviços se aproximando da perfeição. (Esse é um tema que desejo escrever em breve: a perfeição nos serviços)

Mas o que queremos dizer com filosofia? Em princípio, estabelecemos uma filosofia com a esperança de mudarmos o modo como pensamos as coisas, para alterarmos a mentalidade dominante. Temos de, primeiramente, mudarmos a forma de pensar para depois mudarmos a forma de fazer. Filosofia traz ainda em si, ao contrário de uma política comercial, por exemplo, a ideia de alguma coisa que possa ser praticada, ou melhor ainda, vivenciada, experimentada.

Podemos definir assim: filosofia de serviços é um conjunto de crenças, princípios e proposições que tem a finalidade de inspirar, mobilizar, moldar e reger a maneira de uma instituição ou empresa de conceber e conduzir as suas atividades, caracterizando o seu desenho e comportamento organizacional rumo a centralidade do cliente e a excelência em serviços.

Claro que há muito o que dizer com o detalhamento das características desse conceito. Mas quero aqui destacar apenas um aspecto.

A definição de sua finalidade envolve quatro verbos criteriosamente escolhidos: inspirar, mobilizar, moldar e reger. Esses quatro verbos servem para alicerçar os fundamentos para uma mudança de mentalidade. Vamos notar que os dois primeiros, inspirar e mobilizar, têm quase que, por assim dizer, um toque de subjetividade, um tom quase que espiritual. Apenas uma filosofia pode ser assim. Inspirar tem uma ideia de infundir, sugerir, incutir. Grupos organizados que trabalham sob uma filosofia devem ser influenciados para um propósito que faça sentido para eles.

Diz Dave Ulrich no prefácio de seu livro Por que trabalhamos:-“Como os bons líderes podem criar, para si mesmos e para outras pessoas, um sentido de abundância (significado, esperança, prazer) que não apenas envolva os empregados, mas transmita valor para clientes, investidores e comunidades. ” Ele nos conta que nas suas atividades muitas vezes encontra líderes que formulam grandes estratégias, estruturas e processos, mas que omitem o coração e o espírito que fazem das organizações lugares significativos para trabalhar. Essa é a função filosófica da inspiração.

Mas temos também o imperativo de “mobilizar”. Aí encontramos o ato de entusiasmar, cativar, empolgar. São atributos filosóficos. Uma instituição rumo à excelência precisa trabalhar com a ideia de engajamento. As pessoas precisam estar mobilizadas, mais ainda do que motivadas. Como diz ainda Dave Ulrich, “trabalho sempre será trabalho – às vezes monótono e rotineiro, outras vezes nos esgotando ao máximo – mas acreditamos que o trabalho ainda pode contribuir com mais do que apenas dinheiro para nossas vidas.” 

A arte de mobilizar pessoas e engajá-las em uma atividade que faça sentido para elas, ainda que rotineira e monótona, se torna um dos grandes desafios para líderes predispostos a construir uma empresa de excelência.

Temos ainda os verbos moldar e reger. Moldar deve ser aqui entendido como a implantação de parâmetros para aspectos comportamentais de seus gestores e funcionários. Assim, o “moldar” vai interferir no estilo de vida do capital humano da empresa. Reger traz, por outro lado, no seu sentido de administrar, dirigir e conduzir, os aspectos estruturais e da operacionalidade da empresa.

Aí está, em brevíssimas palavras, a ideia de uma filosofia de serviço. Voltemos então a nossa questão inicial, ou seja, filosofia de serviço é a mesma coisa que cultura organizacional?

Se tomarmos o conceito descrito por Chiavenato, teremos o seguinte: Cultura organizacional reflete a maneira como cada organização aprendeu a lidar com o seu ambiente. É uma complexa mistura de pressuposições, crenças, comportamentos, histórias, mitos, metáforas e outras ideias que, tomadas juntas, representam o modo particular de uma organização funcionar e trabalhar. Não é o meu objetivo aqui me estender sobre esse tema, mas uma simples observação permite constatar que existem pontos de contato entre cultura organizacional e o que definimos como filosofia de serviços.

Porém, para se responder objetivamente à questão colocada, deve-se dizer que não, não se trata da mesma coisa. E quero aqui destacar apenas um aspecto que considero importante. Uma filosofia de serviços reflete um esforço consciente engendrado com um propósito bem definido para levar a empresa a um patamar de excelência. E este é o ponto interessante. Uma cultura existe independentemente de a empresa empreender algum esforço para o seu estabelecimento ou não. Uma cultura existe sem qualquer ação em seu nome. Ela está lá, estabelecida, objetivamente ou subjetivamente identificável.

Considero que uma cultura nunca é neutra. E ela é sempre condizente aos objetivos da empresa, ou seja, não existe uma cultura que se caracterize por ser contrária ao que uma empresa almeje. O problema que temos de analisar é se ela, apesar de estar no sentido correto, apresenta aspectos favoráveis ou aspectos restritivos, que dificultam e fazem resistência no alcance de seus objetivos.

O que, de fato, deve ser ressaltado é que a construção e a adoção de uma filosofia de serviços visam exatamente interferir na cultura organizacional, caracterizando-a com fatores que ofereçam somente aspectos favoráveis, dando-lhe uma oportunidade para uma mudança consistente de sua mentalidade dominante.



Fonte: Paulo Cesar Silva é consultor de empresas na área de gestão de serviços e excelência na satisfação do cliente da Mais Cliente. Professor da ESPM, atuou por mais de vinte anos nas áreas de vendas e marketing.

Nenhum comentário:

Postar um comentário