sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Solar fotovoltaica: a fonte renovável do século XXI



Poucos setores no Brasil cresceram de forma tão robusta nos últimos 3 anos, período em que o País atravessou uma de suas piores crises econômicas, como o solar fotovoltaico. O setor destacou-se em comparação com a economia nacional, crescendo a taxas de mais de 100% por ano desde 2013 e a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) se orgulha de desempenhar papel relevante nesta trajetória.

Em 2017, o setor foi responsável pela geração de mais de 25 mil novos empregos diretos e indiretos, em sua maioria qualificados e descentralizados ao redor do Brasil, contribuindo para o desenvolvimento social, econômico e ambiental das cinco regiões de nosso País.

Em janeiro de 2018, o setor ultrapassou a marca histórica de 1 gigawatt (GW) operacionais no Brasil, posicionando o País dentro do prestigiado clube das 30 principais nações do mundo em energia solar fotovoltaica. Até o final do ano, o Brasil ultrapassará a marca de 2 GW.

Já são mais de 27 mil sistemas de geração distribuída solar fotovoltaica em telhados, fachadas e coberturas de residências, comércios, indústrias, edifícios públicos e propriedades rurais, somando mais de 246 megawatts (MW) de potência e mais de R$ 1,6 bilhão em investimentos privados injetados na economia nacional.

O crescimento da microgeração e minigeração distribuída solar fotovoltaica é impulsionado por diferentes fatores, entre eles a redução de mais de 75% no preço da energia solar fotovoltaica na última década e o aumento nas tarifas de energia elétrica. Hoje, o investimento em um sistema solar fotovoltaico retorna em entre 5 e 7 anos, sendo cada vez mais atrativo.

Desde a sua fundação, a ABSOLAR contribui de forma decisiva para este sucesso da fonte solar fotovoltaica no Brasil. Dentre as inúmeras iniciativas desenvolvidas, destacam-se:

- Atuação junto ao Ministério da Integração Nacional na criação de novaslinhas de financiamento para pessoas físicas e jurídicas, com recursos totais de R$ 3,2 bilhões disponíveis aos brasileiros das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste para gerar energia renovável e sustentável em suas próprias residências, empresas e propriedades rurais.

- Articulação para isentar o ICMS sobre a energia injetada na rede e compensada na geração distribuída, via Convênio ICMS nº 16/2015. A ABSOLAR já viabilizou a adesão de 23 estados e do Distrito Federal, disponibilizando o benefício a mais de 181 milhões de brasileiros, ou seja 89,3% da população do País. Em 2018, a ABSOLAR batalha pela adesão do Amazonas, Paraná e Santa Catarina a este convênio estratégico.

- Estruturação e lançamento do Programa Goiás Solar, em conjunto com o Governo do Estado de Goiás, programa estadual de referência que já triplicou as empresas atuando no Estado e multiplicou os investimentos e empregos do setor na região.

- Participação na publicação da Portaria nº 643/2017, que autoriza o uso de energia solar fotovoltaica no Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). Os estudos contaram com a coordenação da FIESP e trabalhos técnicos da ABSOLAR, Furnas e parceiros.

- Proposição ao Ministério das Minas e Energia de um programa nacional solar fotovoltaico, com propostas como: contratação anual de 2 gigawatts (GW) de usinas solares fotovoltaicas por meio de leilões de energia elétrica; meta nacional de 1 milhão de telhados solares fotovoltaicos em residências, comércios, indústrias, edifícios públicos e na zona rural; e uma política industrial para reduzir preços de equipamentos nacionais aos consumidores.

O setor solar fotovoltaico deve muitas destas conquistas ao trabalho de um grupo de empreendedores voluntários que, sob a liderança inicial de Nelson Colaferro Junior, tiveram a iniciativa de fundar a ABSOLAR e conduzi-la ativa, forte e financeiramente saudável desde seus primeiros dias.

Há muito potencial e espaço para o setor solar fotovoltaico crescer no Brasil. Projeções recentes da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) indicam que a fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica poderá ultrapassar 10% em 2030 da matriz elétrica nacional, ante 0,6% ao final de 2017.

A ABSOLAR terá um papel decisivo ao longo da evolução que aguarda o setor solar fotovoltaico nos próximos anos e décadas, período marcado por inúmeras transformações tecnológicas, econômicas, políticas, sociais e ambientais. O mundo caminha para um futuro repleto de inovações como veículos elétricos, armazenamento de energia e, é claro, uma presença cada vez maior da energia solar fotovoltaica em áreas urbanas e rurais. 


Para fazer frente a estas mudanças, daremos início a um novo ciclo de estruturação interna da ABSOLAR, que permitirá à associação nacional de nosso setor continuar crescendo com força, contribuindo com competência para a estruturação de novas políticas e programas para o setor e oferecendo serviços e benefícios valiosos para nossos associados. Você é nosso convidado especial para participar deste novo ciclo como associado da ABSOLAR, ajudando-nos a construir esta nova etapa da história de nosso setor no Brasil.



Fontes:      


  
- Rodrigo Sauaia                                                                              
Ronaldo Koloszuk




                                                                              

Confira passeios pelo Centro de Portugal para aquecer os corações


O romance está no ar, e o Centro de Portugal tem se firmado com um destino bastante procurado por casais. Há muitos lugares românticos espalhados por suas vilas e cidades, com paisagens lindíssimas, excelentes restaurantes e hotéis com charme e conforto singular. Para ajudar a montar o seu roteiro para lua de mel, bodas ou mesmo uma escapadinha a dois para celebrar um momento especial, indicamos aqui alguns destinos que vão surpreender, já que lugares românticos no Centro de Portugal realmente não faltam.


- Passeio de Moliceiro em Aveiro:

Aveiro é conhecida como a “Veneza Portuguesa” por ser cortada por canais, as chamadas rias. Mas não são as gôndolas que circulam pela cidade, e sim barcos conhecidos como moliceiros.



Percorrer os canais urbanos a bordo de um moliceiro, em especial no final da tarde, quando o sol se põe, promete ser uma lembrança incrível da viagem, além de garantir fotos lindíssimas. É um passeio tomado pelo clima romântico.

- Hotel Luz Houses em Fátima:

O Luz Houses já se destaca na entrada: um portão que forma um coração escrito ‘luz’ dá as boas-vindas aos visitantes. Abrindo o portão, a mágica acontece. Lá dentro, um hotel boutique super aconchegante é o refúgio ideal para quem busca sossego na sua hospedagem em Fátima, na região do Centro de Portugal.


Inspirado na arquitetura das aldeias tradicionais do século 19 e início do século 20, o hotel é fruto da paixão de seus proprietários pelo design. O resultado é uma atmosfera em que tudo é pensado com extremo cuidado e os hóspedes tratados com muito carinho.


- Roteiro de Pedro e Inês em Coimbra:

O romance mais marcante da história de Portugal aconteceu no século 14. A lenda de Pedro e Inês é conhecida até hoje como o conto de “Romeu e Julieta” lusitano – com a diferença que os protagonistas desse trágico relato realmente existiram. Atualmente, os lugares onde aconteceram os principais fatos da história tornaram-se pontos turísticos muito procurados.


A Fonte das Lágrimas, a Fonte dos Amores e o Mosteiro de Alcobaça são paradas obrigatórias para aqueles casais que querem conhecer um pouco da história de amor que ecoa até os dias de hoje em Portugal.


- Rotas do Vinho:

Quem não gosta de degustar um bom vinho com a sua alma gêmea? Com cenários inesquecíveis e patrimônio histórico sem igual, o Centro de Portugal oferece experiências exclusivas para os amantes dos vinhos. Aventure-se pelos roteiros vinícolas na Rota da Vinha e do Vinho do Oeste, a Bairrada ou a famosa região do Dão, onde se produzem vinhos desde o século 12, realizando uma genuína experiência portuguesa.


- Sobre o Centro de Portugal:

A mais charmosa região portuguesa é cheia de destinos populares: Aveiro, Coimbra, Viseu, Nazaré, Óbidos, Tomar, Fátima e tantos outros. Suas belezas se estendem por todo o território - ocupado por 2,3 milhões de habitantes que têm o dom de bem receber. 

O Centro de Portugal possui inúmeros patrimônios da UNESCO, um litoral que é um paraíso do surfe, aldeias históricas, gastronomia riquíssima, vinhos inesquecíveis, natureza exuberante e muita cultura, que se somam a incontáveis motivos para uma visita. A principal cidade, Coimbra, está a apenas 200 quilômetros de Lisboa e a 135 quilômetros do Porto.



Fonte: Luciana Paulino

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Roteiro pela Grécia em homenagem ao musical Mamma Mia


A partir de maio de 2019, a Star Clippers terá um roteiro de veleiro pela Grécia em homenagem à famosa comédia romântica Mamma Mia, baseada nas canções do grupo ABBA, e que acaba de lançar um segundo filme. Intitulada “Mamma Mia Highlights” a viagem passa pelas mais belas ilhas gregas em um itinerário de 7 noites, de Atenas a Atenas, percorrendo várias das regiões onde foram filmados “Mamma Mia!” e “Mamma Mia: Lá Vamos Nós de Novo ”.


Entre os destaques, os navegantes visitarão a ilha de Skopelos, que abriga o cenário mais icônico do primeiro longa, na pequena capela onde a personagem Sophie (no papel de Amanda Seyfried) se casa. Também localizado em Skopelos, está a vista deslumbrante do hotel “Villa Donna” (que na realidade era um set de filmagem criado para o filme) e a praia de Kastani, onde Tanya (Christine Baranski) canta o hit "Does Your Mother Know".


A rota cinematográfica também visitará a ilha de Skiathos, onde o charmoso porto foi o cenário do trecho em que os três pais (nos papéis de Pierce Brosnam, Colin Firth e Stellan Skarsgard) se encontram pela primeira vez, ainda no primeiro filme. A companhia oferecerá 4 saídas do itinerário em 2019: 18 de maio, 8 de junho, 29 de junho e 17 de agosto.


- Sobre Star Clippers:

A Star Clippers opera três das maiores e mais altas embarcações a vela do mundo. Visitando portos muitas vezes intocados por cruzeiros de grandes navios e oferecendo aos passageiros atividades, instalações e atmosfera de um iate privado.


Os passageiros desfrutam do romantismo de velejar a bordo de um verdadeiro grande veleiro em uma atmosfera relaxada, com altos padrões de serviço, providenciado pela atenta tripulação. Todas as três embarcações possuem decks expansivos em teca, piscinas, sala de refeições informais, bares tropicais conviviais localizados nos decks e piano lounges. Elas são largas o suficiente para oferecer acomodações de primeira classe, mas pequenas o suficiente para ancorar em portos intocados por grandes navios de cruzeiros.


Fonte: Adriana Mazza


Os cinco maiores problemas no atendimento ao cliente em restaurantes


Não creio que o mau atendimento em restaurantes possa ser resumido em apenas alguns apontamentos. As reclamações são inúmeras e, muitas vezes, não existe muito esforço por parte de donos e gestores em ouvir os seus clientes. Porém, em minhas andanças pelo mundo, cinco reclamações são muito recorrentes e, pasmem, muito simples serem solucionadas. São elas:

1- Falta de treinamento e qualificação específica para o atendimento do público frequentador de restaurantes:

Não basta que o trabalhador-colaborador se apresente com sorriso, perfumado e educado. É preciso que ele tenha conhecimento específico e qualificação necessária para o ambiente de restaurante. Não creio que um atendente de loja, banco ou outro tipo de comércio, por melhor que seja, esteja preparado para esse tipo de atendimento. Aqui não estamos falando somente da educação com as pessoas, mas da postura em saber servir bem, da maneira correta, de explicar os pratos, o funcionamento da casa, de elaborar bem uma mesa. Enfim, um atendente bem preparado faz toda a diferença na experiência do cliente com o estabelecimento.

2- Postura e apresentação pessoal:

A primeira regra para aqueles que vão desempenhar funções relacionadas à alimentação em restaurantes é a higiene absoluta. Cuidados com os cabelos, unhas, dentes e pelos devem ser observados com rigor. O uso de desodorantes, cremes e perfumes precisa ser administrado com cuidado e sem excessos nos odores e aromas, visto que esse excesso pode incomodar e interferir no olfato dos clientes, causando desconforto dentro do ambiente.

A regra pede o uso de uniformes que deixe claro para o cliente a função de cada um no local. Os trabalhadores da cozinha, limpeza, bar, atendimento e recepção devem ser apresentar de modo claro quanto à identificação, utilizando-se de uniformes adequados, confortáveis e com visual compatível à proposta do restaurante. Os excessos devem ser evitados e somente admitidos nos casos onde a harmonia do conjunto tiver uma leitura clara pelo cliente. Lembre-se: o bonito e exótico para o dono, pode ser um desastre aos olhos dos frequentadores.

Gestos contidos e acolhedores devem ser o norte na apresentação do colaborador. Palavras gentis e olhar na direção dos olhos de cada cliente devem ser o comportamento observado e constante e, do qual, jamais ser deixado de lado.


Conter os excessos de intimidade, ainda que se trate de cliente habitual ou amigo no meio externo, necessita de constante prática, uma vez que são frequentes os casos onde amizades, parentesco ou situações do meio externo são trazidos para o ambiente de trabalho. É muito importante que o colaborador tenha claro que sua posição é a de servir, atender e acolher o cliente. No ambiente do restaurante, cada profissional assume seu papel e, quando um amigo chega, chegou um cliente. Quando um parente chega, chegou um cliente. Quando um desafeto chega, chegou um cliente. Portanto, o sucesso do atendimento está ligado diretamente à postura adotada pelos profissionais, do dono aos responsáveis pela limpeza.

3- Mau humor / Cara amarrada:

Acredito que muitos de vocês já se depararam com uma cena constrangedora ao serem atendidos por alguém mal-humorado ou com a “cara marrada”.

Ninguém merece! Não saímos de nossos lares e elegemos um restaurante para, logo de cara, sermos atendidos por uma pessoa que está demonstrando estar infeliz naquele trabalho ou naquele ambiente. Isso reflete diretamente na sequência dos eventos e, muitas vezes, não há como contornar. A primeira impressão é a que fica!

O sorriso elegante e contido deve ser constante no rosto daqueles que exercem a nobre arte do servir. Gestos leves e suaves, acompanhados por um tom de voz audível, firme e delicado é tudo o que esperamos receber quando entramos em um restaurante.


Se algum colaborador chegar ao local de trabalho estando cabisbaixo, sem um sorriso nos lábios ou sem a paciência que requer essa importante missão, transfira-o para um setor que ele não precise interagir com os clientes. Este simples cuidado, certamente, evitará constrangimentos.

4- Corrigir não é constranger:

É inadmissível que um proprietário ou gerente de restaurante queira corrigir ou chamar a atenção do colaborador no meio do salão, constrangendo-o na frente dos clientes e dos demais empregados. Primeiro em razão do desconforto para o cliente, que não está ali para ser incomodado com as questões de gestão da casa. Segundo, porque o colaborador é merecedor de respeito e tem o direito de não ser constrangido em público, ainda que a falta seja grave. Corrigir não é constranger e empregado não é escravo.

A orientação na forma de uma forte reprimenda até pode surtir efeito, mas se for feita na forma de humilhação e constrangimento, certamente, resultará em uma tragédia. Não há cliente feliz percebendo a infelicidade daqueles que lhe servem.

Além disso, prefiro pensar serem raras as pessoas que acreditam que os profissionais que os servem são pessoas menores. Pelo contrário, a “gorda gorjeta” e a fidelidade do cliente são consequências positivas de um trabalho bem feito, do proprietário ao responsável pela limpeza.



5- O cardápio é igual a um contrato: deve ser cumprido:

Muitos proprietários-gestores de restaurantes ainda não perceberam a importância e a relevância do cardápio em refletir a exata imagem daquela casa. Não é possível que eles se preocupem tanto em elaborar cardápios bonitos, criativos e ilustrados, sendo que aquilo que a cozinha e o bar oferecem não reflete o proposto.

Não adianta um cardápio conter dezenas de pratos, se a cozinha não está preparada para uma demanda tão variada. O menu de comidas e bebidas deve receber o mesmo cuidado e atenção que o proprietário tem ao escolher o nome, enxoval e a decoração do restaurante.

O proprietário-gestor deve se atentar para o fato de que o cliente visita o cardápio e se enche de expectativas que não devem, em hipótese alguma, ser frustradas. Um cliente, muitas vezes, entra em um restaurante para o simples ato de “matar a fome”, enquanto outros o fazem como um ato de descontração e lazer. No entanto, ambos são clientes e os dois merecem o mesmo tratamento e cuidado. O “mata fome” de hoje, certamente, será o cliente do lazer de amanhã.



Quando um cardápio não consegue revelar a “verdade” daquele lugar, certamente o fracasso se avizinha. Comida e bebida que necessitam retornar a cozinha, salvo algum pedido especial feito pelo cliente, certamente denota que algo não vai bem.

Um cardápio simples e com poucas opções pode ser um porto seguro para ancorar o barco do sucesso. Mais vale um “picadinho” bem feito do que a aventura de uma lagosta sem sabor.



Fonte: Edson Pudence 
​​​​​